Troca de jurados durante desfile detonou tumulto

Presidente da Vai-Vai teria incentivado invasão e torcedores presos dizem que havia acordo para boicotar apuração

O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2012 | 03h00

A apuração do Grupo Especial do carnaval de São Paulo já havia começado com tensão e um atraso de quase 20 minutos, já que representantes das escolas estavam debatendo a portas fechadas uma troca de jurados. De acordo com a Liga das Escolas de Samba, jurados dos quesitos samba-enredo e mestre-sala e porta-bandeira passaram mal durante os desfiles e foram substituídos por suplentes.

Assim começou toda a confusão. O presidente da Vai-Vai, Darly Silva, reclamou da troca e antes mesmo da apuração começar já havia ameaçado: "Houve troca de jurados na calada da noite, está tudo vendidinho, não vamos aceitar." Imagens de redes de televisão mostraram Darly incentivando outros os diretores da Império de Casa Verde e Camisa Verde e Branco a boicotar a apuração e a invadir a área dos jurados. No depoimento na delegacia, Tiago Ciro Tadeu Faria, de 29 anos, da Império de Casa Verde, e Cauê Santos Ferreira, de 20 anos, da Gaviões da Fiel, presos pela polícia, chegaram a falar que já havia um acordo entre os presidentes das escolas para que não houvesse campeão no carnaval deste ano por causa da troca de jurados.

"Mandaram e-mail na quinta-feira avisando sobre essa troca de jurados, o que é uma completa vergonha", disse Paulo Ferreira, vice-presidente da Império de Casa Verde. "Se isso ocorresse no Rio, não haveria apuração, nunca teria acontecido isso." O presidente da Gaviões da Fiel, Donizete, também criticou a troca dos jurados e o aviso por e-mail. "Fiquei desconfiado, claro", disse. / B.R., D.Z., R.B. E W.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.