Troca de comando na PM será oficializada neste sábado

Secretaria de Segurança Pública afirma que mudanças ocorrem por razões 'administrativas e funcionais'

Rafael Italiani e Ricardo Chapola, O Estado de S. Paulo

11 Julho 2014 | 15h31

Atualizado às 18h07

SÃO PAULO - Será publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo deste sábado, 12, a troca de comandantes no Comando de Policiamento da Capital (CPC), Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran), Comando de Policiamento de Choque (CPChoq) e na Academia de Polícia Militar do Barro Branco. Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, os coronéis Glauco Silva de Carvalho, Gilberto Tardochi da Silva, Nivaldo César Restivo, e Reynaldo Simões Rossi, respectivamente, irão assumir os cargos.

O Estado antecipou as trocas na edição desta sexta-feira, 11, mesmo dia em que o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o secretário estadual de Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, se reuniram para definir as mudanças. A reunião foi marcada a pedido do secretário. A pasta disse apenas que "as mudanças ocorrem por razões administrativas e funcionais". 

O coronel Reynaldo Simões Rossi, que irá assumir a Academia de Polícia Militar do Barro Branco, é ex-comandante do Comando de Policiamento da Área Metropolitana 1 (CPAM1). Em outubro do ano passado, durante uma manifestação, Rossi foi cercado e agredido por um grupo de mascarados e teve sua pistola roubado dentro do Terminal Parque Dom Pedro II. Atualmente ele está na Escola Superior de Soldados. O Choque será liderado por Nivaldo César Restivo, atualmente no CPTran. O coronel é ex-comandante da Ronda Ostensiva Tobias de Aguiar (Rota). 

Doutor em Ciência Política pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, o coronel Glauco Silva de Carvalho assume o CPC com a missão de reverter a explosão nos casos de roubo. 

Índices. Em maio deste ano, conforme os últimos dados da criminalidade divulgados pela SSP, os roubos tiveram a 12.ª alta consecutiva, tanto no Estado como na capital. Foram registradas 28.336 ocorrências, sem contar roubo de veículos - o aumento foi de 33,6% em comparação com o mesmo mês do ano passado. A capital teve alta de 41,9%, com 14.716 casos - o maior pico desde janeiro de 2012. O índice de homicídios cresceu no Estado - alta de 6,4%. Em maio deste ano, foram 350 casos ante 329 de 2013. Na capital, o índice caiu 22%, passando de 108 ocorrências para 84.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.