Trio que matou publicitário tem prisão pedida

O promotor Rogério Leão Zagallo pediu anteontem a prisão temporária dos três policiais militares acusados de matar o publicitário Ricardo Prudente de Aquino, no dia 18 de julho, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.

O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2012 | 03h04

Os policiais Gustavo Garcia, Adriano da Silva e Robson Tadeu Paulino, acusados de matar Aquino e modificar a cena do crime, ficaram detidos no Presídio Militar Romão Gomes por nove dias após o crime. Eles foram colocados em liberdade em 27 de julho, depois que o desembargador Willian Campos concedeu o habeas corpus pedido pela defesa, decisão aceita também pela Justiça Militar, por acreditar que a prisão seria uma "antecipação dos efeitos condenatórios".

Os três acusados disseram ter confundido o celular da vítima com uma arma, e por isso atiraram. / W.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.