Trio faz 6 reféns e rouba caixas eletrônicos durante festa na PUC

Assaltantes trancaram funcionários por 40 minutos em uma sala na madrugada deste sábado, em Perdizes, zona oeste da capital, levaram dinheiro e equipamentos e fugiram

O Estado de S.Paulo

28 de março de 2015 | 13h32

SÃO PAULO - Três criminosos roubaram dinheiro de dois caixas eletrônicos na madrugada deste sábado, 28, dentro da Pontifícia Universidade Católica (PUC), em Perdizes, zona oeste da capital paulista. Segundo a Secretaria da Segurança Pública (SSP), o trio fez seis funcionários reféns durante uma festa que ocorria na universidade e fugiu.

O crime ocorreu às 1h06 deste sábado. Os funcionários foram rendidos por dois dos assaltantes e ficaram trancados em uma sala de monitoramento por 40 minutos. Após a ação, um dos funcionários conseguiu chamar a Polícia Militar, que constatou no local que dois caixas eletrônicos haviam sido arrombados e o dinheiro levado. 

Segundo a SSP, o valor roubado não foi informado. O trio levou ainda centrais de monitoramento da PUC. Até o momento, nenhum dos criminosos foi localizado pela polícia. O caso foi registrado no 91.º Distrito Policial (DP), Ceasa, como roubo, e será investigado pelo 23.º DP, em Perdizes.

Em fevereiro, a PUC baixou uma determinação interna proibindo a realização de festas no interior da faculdade, com previsão de punição aos alunos. Segundo a instituição, por causa dos eventos, ela foi multada três vezes em R$ 35 mil no ano passado por excesso de barulho, além das queixas de vizinhos.

Após a medida, a reitoria da PUC foi invadida por um grupo de ao menos 100 alunos no último dia 17. A reitoria da universidade afirmou que a invasão estava relacionada à proibição das festas dentro do campus. Os alunos dissem que as reivindicações eram outras, como falta de transparência na gestão dos cursos e reajuste das mensalidades.

Tudo o que sabemos sobre:
puccaixa eletrônicosegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.