'Trio de Ferro' do futebol vai exigir segurança reforçada

Pela 1ª vez, Palmeiras, Corinthians e São Paulo participam juntos do grupo de elite; ônibus das torcidas serão escoltados

O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2012 | 03h02

Pela primeira vez na história do carnaval paulistano, a rivalidade dos três maiores times de futebol da capital também será vivida na passarela. Isso porque, com a subida da Dragões da Real (escola que surgiu da torcida homônima são-paulina) para o Grupo Especial, haverá uma competição paralela entre São Paulo, Palmeiras (representado pela Mancha Verde) e Corinthians (Gaviões da Fiel). É o "Trio de Ferro" em pleno Anhembi.

Entre os carnavalescos, entretanto, a preocupação é justamente se descolar dessa óbvia associação. "Nem falamos sobre esse assunto, porque é aguçar um negócio que não existe", afirma o porta-voz da Mancha, Pedro Azevedo. "Não é porque somos originários de torcida que levamos a mesma rivalidade para o desfile. No carnaval, encaramos da mesma forma a Gaviões, a Dragões e as outras 11 escolas."

Desde novembro, a Polícia Militar tem se encontrado com representantes da Liga das Escolas de Samba para definir como será a segurança do evento. A primeira medida foi colocar Mancha Verde e Gaviões da Fiel, teoricamente as escolas com maior rivalidade entre si, em dias separados. A torcida palmeirense desfila na madrugada de sábado, e a corintiana, na madrugada de domingo. Já a Dragões da Real terá a missão de abrir a segunda noite de desfiles, 5h20 antes de a Gaviões entrar no sambódromo.

"Assim, os integrantes das escolas não devem se encontrar diretamente na concentração nem na dispersão", diz o tenente-coronel Oswaldo Garcia, comandante do 9.º Batalhão da Polícia Militar e coordenador da segurança do evento. "No domingo, os ônibus das duas escolas também terão escolta de batedores. Ainda teremos policiais nas arquibancadas e faremos um policiamento ostensivo nas imediações do sambódromo, tudo para evitar possíveis confrontos."

Cerca de mil policiais estarão por dia no carnaval paulistano, entre homens que ficarão no sambódromo e outros que patrulharão as ruas da zona norte.

Quase 60 viaturas vão percorrer a Marginal do Tietê e a Avenida Cruzeiro do Sul, até a Estação Santana do Metrô. Além disso, 30 câmeras farão o monitoramento das imediações do Anhembi. "Montamos o aparato que achamos ser suficiente. Carnaval é carnaval, time de futebol é time de futebol", disse Garcia. / E.V. e RODRIGO BRANCATELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.