Reprodução|Google Street View
Reprodução|Google Street View

Justiça de SP reverte decisão e julga avô culpado pelo estupro da neta

No ano passado, juiz havia absolvido o acusado em decisão polêmica que sugeria que a vítima poderia ter reagido ao estupro

Luciana Antonello Xavier, O Estado de S. Paulo

06 Abril 2017 | 18h53

SÃO PAULO - O Tribunal de Justiça de São Paulo julgou nesta quinta-feira, 6, o delegado aposentado Moacir Rodrigues de Mendonça culpado pelo crime de estupro de sua neta L.A.M.M., quando ela tinha 16 anos. Hoje a jovem está com 19. 

Com a decisão, fica revertida a sentença polêmica do juiz Eduardo Luiz de Abreu Costa, que, em maio do ano passado, absolveu Mendonça e o colocou em liberdade por entender que não havia "prova segura e indene de que o acusado empregou força física suficientemente capaz de impedir a vítima de reagir."

"Eu tinha convicção de que o Tribunal o condenaria. Agora só aguardo a decretação da prisão para que a vítima possa retomar sua vida", disse a advogada da jovem, Andrea Cachuf.

A jovem tinha 16 anos quando foi estuprada pelo avô, na época com 63 anos, em um quarto de hotel perto de um parque aquático, em Olímpia, no interior de São Paulo, em 2014. Desde maio do ano passado, Mendonça, que chegou a ficar preso, foi solto, se aposentou como delegado e trabalha como advogado em Itu.

Após a sentença que soltou seu avô, L.A.M.M, que pesa ao redor de 40 quilos, foi internada e chegou a pesar 30 quilos, segundo ela. Atualmente L.A.M.M diz lutar para ajudar outras mulheres na mesma situação e também para que a justiça seja feita no seu caso e criou no ano passado a página TodasPorLAMM no Facebook e Instagram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.