Treze carros são incendiados na zona leste

Polícia Civil acredita que os quatro ataques tenham sido realizados pelo mesmo grupo

Ligia Tuon, Luiz Guilherme Gerbelli e Tiago Dantas, O Estado de S.Paulo

02 Agosto 2010 | 00h00

Vila Ré. Um desconhecido ligou para os donos do Passat para avisar sobre o incêndio

 

Treze carros foram queimados ontem em quatro incidentes separados na zona leste de São Paulo. O maior ataque foi na Rua Boqueirão de Poti, distrito de Lajeado: dez veículos que haviam sido apreendidos foram incendiados em um pátio particular.

O fogo começou por volta da 1 hora. Segundo o dono do estacionamento, Leonildo Lopes, de 39 anos, os vizinhos contaram que um carro parou na frente do portão do pátio e de lá os ocupantes teriam ateado o fogo. "Não sei o motivo que teriam para fazer isso. Não tenho inimigos", disse o proprietário, que tem o pátio há 3 anos. O local tem capacidade para 2 mil automóveis.

Policiais que investigavam as ocorrências acreditam que, pela proximidade dos incêndios, a ação foi cometida pelo mesmo grupo. "Está sendo difícil encontrar testemunhas. As pessoas só viram os carros já pegando fogo", disse um investigador da 7.ª Delegacia Seccional.

Na Vila Ré, na Avenida Calim Eid, na frente do número 827, um Passat ano 1980 também foi queimado. O veículo estava estacionado na frente de uma oficina mecânica que pertence à família da dona de casa Ana Maria dos Santos. Os proprietários do automóvel ficaram transtornados. "Está todo mundo apavorado. O que aconteceu foi um absurdo. É coisa de gente que não tem coração", disse Ana Maria.

A dona de casa contou que ficou sabendo do incêndio à 1h08, quando recebeu a ligação de uma pessoa desconhecida informando do fogo. Ela contou que o carro seria pintado em breve, para poder ser colocado à venda nos próximos dias.

No Jardim Helena, na Rua Sodré Aragão, um Fiat Linea 2010 roubado foi totalmente destruído. As chamas provocaram uma explosão tão forte que as janelas das casas próximas chegaram a tremer. "Entrei na cozinha e vi o carro pegando fogo por volta da 1h20. Ficamos muito assustados porque o alarme começou a disparar e achamos que tinha gente dentro do veículo", disse a dona de casa Maria Arlete Roberto, de 52 anos. O veículo foi retirado do local às 7h30.

Vários vizinhos acionaram a polícia. "Na ligação para os bombeiros, fiquei muito tempo esperando na linha até ser atendida", reclamou uma moradora.

Ainda no mesmo bairro, na Rua Manoel Barbosa dos Reis, um Chevette com placa de Jacutinga (MG) foi incendiado por volta das 4 horas. Os moradores disseram que o carro estava estacionado no local havia cerca de dois meses. "Na hora que acordei, vi o carro em chamas, mas não sabia do que se tratava. Aliás, nem sabemos por que esse carro estava parado há tanto tempo", disse uma moradora que pediu para não ser identificada. Ninguém viu o momento exato em que o incêndio começou.

Na Água Rasa, policiais civis e militares investigavam, na noite de ontem, um Fiat Uno de Praia Grande, que há 15 dias foi queimado na porta da casa da família do proprietário. Wilson dos Santos, sogro do dono do carro, acredita que a ação foi de vândalos. Mas a Polícia Civil investiga se esse caso tem relação com os demais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.