Três se ferem em ônibus incendiado por jovens no Itaim

Funcionária pública que usa muletas foi resgatada pelo motorista, que acabou queimado e se encontra em estado grave

WILLIAM CARDOSO, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2012 | 03h01

Um ônibus da linha 2059 (São Miguel Paulista-Guaianases) foi incendiado por volta das 22h de anteontem na Avenida Nordestina, no Itaim Paulista, zona leste de São Paulo. Três pessoas ficaram feridas durante o ataque, entre elas a funcionária pública Lisiane Cristina Tilger, de 33 anos, que usa muletas e teve 18% do corpo queimado.

Segundo testemunhas, quatro jovens se aproximaram quando o ônibus parou em um ponto na altura do número 5.930 da Avenida Nordestina, na frente de um conjunto habitacional. Em seguida, jogaram a gasolina que carregavam em sacos plásticos e atearam fogo.

Eles teriam tentado impedir a saída de passageiros, que conseguiram escapar. Lisiane não desceu e, desesperada, pediu socorro ao motorista do ônibus, Jefferson Alves da Silva, de 31 anos. Ele ajudou no resgate da passageira, acabou queimado e permanecia ontem internado no Hospital do Tatuapé em estado grave. O cobrador também se queimou.

Segundo as testemunhas, um dos criminosos voltou ao ônibus para ajudar a tirar a passageira com dificuldade de locomoção. Ela foi jogada no chão, onde rolou para apagar o fogo. "Ela pedia para jogarem água sobre ela, principalmente nas pernas, onde sentia muita dor", afirmou um gráfico, de 28 anos, que ajudou a arrastar a funcionária pública para longe do veículo.

Na tarde de ontem, Lisiane reclamou de dores no joelho e foi levada para um hospital em Santa Cecília, na região central de São Paulo. Ela teve as pernas e os braços queimados. A muleta que usava, de plástico e metal, derreteu. "Cheguei 10 minutos depois. Foi difícil de fazer o resgate, porque algumas pessoas atiraram pedras na polícia. Ficamos no meio de uma situação bem complicada", afirmou uma prima de Lisiane. A funcionária pública usa muletas porque sofreu uma queda em 2006 que a deixou com dificuldade de locomoção.

Motivação. A polícia ainda não sabe qual foi a motivação do ataque. A suspeita é de que o incêndio tenha sido provocado por um grupo criminoso conhecido como "dos pequenos", formado por jovens entre 14 e 22 anos, moradores do Itaim Paulista. O caso foi registrado no 50.º DP como incêndio e tentativa de homicídio, mas será investigado pelo 68.º DP (Lageado).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.