Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Três são presos na Galeria do Rock por venda de material para tatuagem

Fiscalização da Polícia Civil também apreendeu 113 máquinas para tatuagem, 45 mil agulhas, 350 tubos de tinta e outros equipamentos

Solange Spigliatti , estadão.com.br

25 de outubro de 2010 | 16h01

SÃO PAULO - Três empresários foram presos em flagrante nesta segunda-feira, 25, na Galeria do Rock, no Centro de São Paulo, durante a Operação Tattoo, da Polícia Civil, contra venda de produtos irregulares para tatuadores.

 

Policiais da 2° Delegacia de Saúde de São Paulo fiscalizaram 12 lojas da Galeria. Deste total, três apresentaram produtos sem registro do Ministério da Saúde.

 

Foram presos em flagrante por crimes de relações de consumo Ranilson Ferreira Filho, de 38 anos, Gregorio dos Santos Bitencourt, de 26, e o peruano Julio Cesar Nunez Ganoza, de 44 anos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), eles foram liberados após pagamento de fiança no valor de R$ 2 mil cada.

 

Nas lojas foram apreendidos 113 máquinas para tatuagem, 45 mil agulhas, 350 tubos de tinta e outros equipamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.