Três propriedades de Abadía são leiloadas por R$ 4,3 milhões

Dinheiro deverá ser depositado em juízo e ficará à disposição da justiça até o julgamento do colombiano

Felipe Werneck, O Estado de S. Paulo

09 de janeiro de 2008 | 16h25

Três das cinco casas do megatraficante colombiano, Juan Carlos Ramírez Abadia que foram a leilão, nesta quarta-feira, foram arrematadas por um total de R$ R$ 4,3 milhões. A propriedade mais valiosa, uma casa com um grande terreno na praia de Jurerê - paraíso dos endinheirados de Florianópolis (SC) - foi comprada pelo advogado Omero Cardoso Machado Filho, por R$ 2,05 milhões (valor 36,67% acima da avaliação inicial feita pela Justiça). O advogado tem 24 horas para fazer o depósito equivalente ao pagamento em juízo. O dinheiro será depositado em uma conta e ficará à disposição da 6ª Vara Federal Criminal, até o julgamento de Abadia - que está detido no Brasil desde agosto, quando foi descoberto em uma mansão de luxo em Barueri, na Grande São Paulo. "Comprei porque os meus filhos me empolgaram. Foi uma boa compra porque ficou 20% abaixo do valor de mercado", diz o advogado. As outras duas propriedades foram arrematadas por lances feitos pela internet - o que impede de saber a identidade dos compradores. Segundo a Justiça, foram arrematadas uma casa em Angra dos Reis (RJ), por R$ 1,6 milhão (45,45% acima do valor inicial), e um sítio em Pouso Alegre (MG), por R$ 650 mil (20,37% acima da avaliação inicial da Justiça).

Tudo o que sabemos sobre:
Abadía

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.