SAP/Divulgação
SAP/Divulgação

Três presos são resgatados em presídio de Franco da Rocha

Unidade superlotada tem capacidade para 1.738 presos, mas 2.125 cumprem pena em Centro de Progressão Penitenciária; criminosos dispararam fuzis contra agentes penitenciários

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

09 Dezembro 2014 | 12h50

Atualizada às 15h20

SÃO PAULO - A polícia procura três presos que foram resgatados na manhã desta segunda-feira, 8, do Centro de Progressão Penitenciária (CPP), de Franco de Rocha, na Grande São Paulo. Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP), criminosos armados de fuzis AR-15 e 7.62 chegaram em um carro branco na unidade, atirando contra uma guarita de segurança da unidade. Investigadores da Delegacia de Franco da Rocha que não quiseram se identificar, disseram que existe a suspeita de que alguns dos três fugitivos sejam membros do Primeiro Comando da Capital (PCC). Dois deles têm registros de fugas do sistema prisional paulista. 

Durante o tiroteio, os detentos Antônio Pereira Fernandes Figueira, de 34 anos, conhecido pelos apelidos Bacalhau, Toninho Português e Scooby, Davi Marques dos Santos, de 37 anos e Euclides Dias Neto, de 38 anos, aproveitaram para pulara o muro da unidade. Os três fugitivos respondem por roubo. Ainda segundo a SAP, um dos agentes penitenciários teve ferimentos causados por estilhaços dos disparos. Ele foi socorrido e passa bem. Após a fuga, funcionários da prisão fizeram uma revista dentro do CPP e encontraram 13 cápsulas dos fuzis utilizados pelos criminosos. 

A secretaria disse que acionou a PM assim que houve e a fuga e o Centro de Intervenção Rápida (GIR) da pasta, para identificar os fugitivos. A SAP disse que "estranha a ação de resgate, pois os presos do regime semiaberto têm direito a cinco saídas temporárias por ano e podem realizar trabalhos em empresas e órgãos externos". 

Saída temporária. De acordo com a SAP, dois dos fugitivos já estiveram presos no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Santo André, no ABC, e já tinham fugido da prisão semiaberta quando deixaram de voltar das saídas temporárias de Natal. Figueira fugiu do CPP de Mongaguá, no litoral sul, em janeiro de 2011 quando deixou de voltar do benefício. Em 2010, Dias Neto fez o mesmo ao não retornar para o CPP de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo.

Superlotação. Os centros de progressão penitenciária são para presos que cumprem as penas no regime semiaberto. O CPP de Franco da Rocha tem capacidade para 1.738 detentos, mas segundo a SAP está superlotado, com 2.125 detentos - 22,3% acima da capacidade, segundo a pasta. 

A SAP informou que "está em andamento com o Programa Ampliação de Vagas no Regime Semiaberto" que prevê a geração 11.013 vagas nas unidades já existentes, sendo 216 em uma ala da Penitenciária 2 de Franco da Rocha. Do total, a secretaria afirmou que já foram entregues 6.273 vagas. 

Mais conteúdo sobre:
Segurança Pública Franco da Rocha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.