Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Três pessoas são investigadas por suspeita de envolvimento em assalto a ônibus

Tiroteio deixou três mortos e quatro feridos; imagens do interior do veículo ainda estão sendo analisadas pelas autoridades

Felipe Resk e Jéssica Otoboni, O Estado de S.Paulo

20 Abril 2018 | 12h39

SÃO PAULO - Três pessoas são investigadas por suspeita de participar do arrastão que deixou três pessoas mortas e feriu outras quatro em um tiroteio dentro de um ônibus intermunicipal no Jabaquara, na zona sul de São Paulo. Segundo a Polícia Civil, dois assaltantes participaram da ação e um deles morreu no confronto.

+ Duas pessoas são baleadas em assaltos na Grande São Paulo

+ Novo sindicato de motorista de aplicativo promete ‘proteção’ contra assaltos em 

O ataque aconteceu por volta das 16h da quinta-feira 19, na Avenida Engenheiro Armando de Arruda Pereira. O estudante Felipe Fuschi Amaro, de 23 anos, o policial militar Elton Ricardo Cunha, de 38 anos, e o suspeito Damião Barbosa Sousa, de 32 anos - que foi reconhecido pelo motorista do veículo -, morreram durante a ação.

+ Ladrões invadem condomínio na zona sul de SP e fazem arrastão

+ Morte de adolescente pela PM em Santo André indigna parentes da vítima

Segundo o Boletim de Ocorrência (BO) da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP), divulgado nesta sexta-feira, 20, Amaro chegou a ser encaminhado ao Hospital Saboya, mas não resistiu aos ferimentos. Cunha morreu no Hospital Serraria, em Diadema. Sousa faleceu no local do assalto e seu corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) Sul da Capital.

Uma mulher, cuja família quis preservar a identidade, ficou ferida e permanece internada em estado estável no Hospital Saboya, segundo a Secretaria Municipal de Saúde. As imagens do interior do ônibus ainda estão sendo avaliadas pelas autoridades.

Dois suspeitos foram conduzidos ao 26.° Distrito Policial (Sacomã) no mesmo dia. Um estudante de 22 anos foi detido após o Bilhete Único dele ser encontrado com o criminoso morto. Aos policiais, ele disse que conhecia Sousa e que havia emprestado o cartão.

Nesta manhã, a polícia recebeu uma denúncia anônima sobre um suspeito em Diadema, no ABC. Os agentes foram até a casa dele, onde encontraram uma camiseta e uma bermuda com marcas de sangue.

Todos os suspeitos negam participação no crime, mas continuam detidos na delegacia. Até o momento, nenhuma testemunha reconheceu categoricamente algum dos três.

Relembre: PM de folga enfrenta assaltantes com o filho no colo e mata dois

A Polícia Civil pediu exame residuográfico no terceiro investigado, após uma testemunha indicar, sem certeza, que ele pode ser o assaltante que atirou na porta do ônibus. Também será examinado o sangue encontrado nas roupas para descobrir se é de alguma vítima.

Os investigadores ainda apreenderam uma pistola calibre 380, que pertencia ao PM, e um revólver 38, que estava em posse do criminoso. Segundo a Polícia Civil, Sousa tinha passagem por roubo e receptação.

O caso foi registrado no 26.º Distrito Policial (Sacomã) e transferido para o 97.° DP (Americanópolis), onde foi instaurado o inquérito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.