Três perguntas para Viriato Gomes, pai da dentista Cinthya de Souza, morta no ABC

1. O senhor acha que mais dentistas morrerão assim?

O Estado de S.Paulo

29 Maio 2013 | 02h06

Sempre que ocorre um crime desses, tem uma tendência de se repetir. É quase um modismo. Ainda creio que vai ter mais casos.

2. O que pensou quando soube do novo caso?

 

É aquela coisa de revolta, de insatisfação, a falta de amor que existe nas pessoas. Isso tudo leva a esse desespero dos bandidos.

3. Como está lidando com a perda de sua filha?  

 

Ela ainda está muito presente, todos estão consternados. Tivemos a missa de um mês e vamos ter a primeira audiência do menor (acusado de atear fogo à dentista). Não sei qual será minha reação (ao vê-lo). Fui intimado a depor e vou sozinho. Minha esposa não está podendo andar. Precisaremos ter o primeiro contato para saber o seguimento da coisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.