Três perguntas para... Christian Michael de Cesaro, comerciante atingido

1.Como foi o momento em que foi atingido?

O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2011 | 03h03

Eu estava na frente do balcão e iria ligar para um cliente. Do nada, escutei o barulho, um ardor na cabeça, e caí. Até então, era um dia normal. Acordei depois, sendo atendido por uma médica. Pensei nos meus filhos.

2.O que disseram para você depois?

O médico que me atendeu falou que eu era um sortudo, que por mais um pouco a bala teria penetrado a minha testa. Já o delegado brincou, falou que, literalmente, eu tenho a cabeça dura.

3.O que você pensa de tudo o que aconteceu?

No Rio, o câmera foi morto por traficantes. Aqui, a situação não é muito diferente. Sempre me senti seguro, mas estou com medo. Na Paulista, a gente sempre confia que nada vá acontecer. Fui o efeito colateral da história. Deveriam proibir armas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.