Três mulheres morrem esmagadas por prensa em curtume de Andradina

Vítimas trabalhavam no processamento do couro, quando equipamento de uma tonelada baixou de repente e as atingiu nas cabeças

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

25 Setembro 2017 | 19h01

SOROCABA - Três funcionárias morreram esmagadas por uma prensa de couro, na tarde desta segunda-feira, 25, nas dependências de um curtume de Andradina, no extremo oeste do Estado de São Paulo. As vítimas trabalhavam no processamento do couro, quando a prensa baixou de repente e as atingiu nas cabeças. As mulheres, Ângela Evangelista dos Santos, de 44 anos, Carla Cristina Pires Faria, de 35, e Thais Costa Martins, de 29, foram levadas a um pronto-socorro, mas já chegaram sem vida. 

De acordo com a Polícia Civil, os próprios funcionários usaram uma empilhadeira para levantar a prensa e retirar as vítimas. Elas sofreram traumatismo craniano e parada cardiorrespiratória. Os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal (IML) de Andradina. O curtume de Andradina processa principalmente couro bovino. A prensa, com peso de uma tonelada, estica e faz a secagem do couro. Quando o processo se completa, o equipamento sobe automaticamente para que os funcionários retirem as mantas secas.

Conforme o delegado Raoni Spetic da Selva, a prensa teria baixado sem ser acionada, atingindo as funcionárias. O proprietário e funcionários prestavam depoimento no fim da tarde. O dono e os responsáveis pela manutenção do equipamento devem responder por homicídio culposo (não intencional), mas o delegado ainda aguarda o laudo da perícia. A empresa, que paralisou os trabalhos após o acidente, divulgou nota lamentando a fatalidade e manifestando solidariedade às famílias das vítimas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.