Célio Messias/Estadão
Célio Messias/Estadão

Três meses após lockdown, Araraquara define critérios para eventual novo fechamento da cidade

Cidade passa a usar taxa de positividade de testes para estabelecer restrições. Em fevereiro, isolamento proporcionou redução de casos, internações e mortes

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2021 | 19h25

SOROCABA - Um decreto baixado nesta quinta-feira, 20, prevê o fechamento das atividades econômicas em Araraquara, interior de São Paulo, se a taxa de positividade para o vírus da covid-19 ultrapassar 20% por três dias consecutivos. Nesta quinta-feira, com a aplicação de 955 testes, a taxa era de 10%. A cidade ficou conhecida por ter reduzido os casos, mortes e internações pela doença, após adotar um rigoroso lockdown de dez dias, a partir do dia 21 de fevereiro. Nos últimos dias, Araraquara voltou a registrar aumento na disseminação do vírus.

O decreto estabelece que o fechamento também acontecerá se a taxa de positividade em pacientes sintomáticos - aqueles que buscam os serviços de saúde - ultrapassar 30% por três dias seguidos ou cinco dias em uma semana. A taxa atual é de 14%. Se os índices forem ultrapassados, as atividades econômicas serão suspensas por, no mínimo, sete dias ou até que haja recuo nos índices. A circulação de pessoas também ficará restrita. A prefeitura emitirá alerta quando o índice estiver próximo de causar o fechamento.

O prefeito Edinho Silva (PT) chamou a medida de pacto social. “Quem vai dizer se Araraquara vai continuar funcionando ou terá que fechar por um período não é o prefeito, a secretária de saúde ou a equipe de saúde. É a população de Araraquara, tomando os cuidados, fazendo as medidas de isolamento e impedindo a circulação do vírus”, disse. Conforme o prefeito, as medidas seguem orientação de especialistas em saúde pública, como representantes da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) que estiveram na cidade no início do mês.

Segundo o decreto, agentes da saúde farão busca ativa e rastreamento de comunicantes que tiveram contato com pessoas positivadas para covid-19. O isolamento dessas pessoas por 14 dias será monitorado pelas equipes. Se a pessoa passou em um supermercado, uma igreja ou um restaurante, esses locais serão monitorados, assim como o do seu trabalho. Os residentes na mesma casa do infectado terão de cumprir isolamento domiciliar de 14 dias, também com monitoramento. A cidade mantém barreiras sanitárias para exigir teste de quem chega de fora.  

Empresas, comércio e entidades podem ser interditadas total ou parcialmente se o rastreamento encontrar 10% ou mais de positividade em relação ao total de funcionários. A interdição total ou parcial será por dois dias, período em que o local deve passar por desinfecção. As pessoas infectadas só podem voltar ao estabelecimento após dois testes negativos. Os estabelecimentos e as pessoas físicas em geral podem responder por conduta criminosa caso se recusem a fazer os testes da covid-19 e, nos casos positivos, descumpram a quarentena.

Em fevereiro, quando Araraquara enfrentava um colapso na rede hospitalar, com pacientes à espera de leitos, a prefeitura decretou lockdown por dez dias. Dois meses depois, a pressão na rede hospitalar havia cessado e o número de casos caiu mais de 70%. Nos últimos dias, a situação voltou a preocupar. Nesta quinta, foram confirmados mais 100 casos, atingindo 20,3 mil infectados, e duas mortes, totalizando 429 óbitos. A taxa de ocupação de leitos de UTI voltou a um patamar elevado, chegando a 93%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.