Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Três estudantes que tiveram coma alcoólico seguem internados

Segundo apurou a reportagem, duas jovens seguiam na UTI na manhã desta segunda-feira e um foi transferido para um quarto

Chico Siqueira, Especial para o Estado

02 Março 2015 | 13h19

BAURU - Os Hospitais Estadual e da Unimed, de Bauru, no interior de São Paulo, recusaram-se nesta segunda-feira, 2, a divulgar qualquer informação sobre o estado de saúde dos três estudantes que foram internados em coma alcoólica na tarde de sábado, 28, após consumir vodca em excesso em uma festa universitária. Os hospitais confirmaram, no entanto, que os três continuam internados em suas dependências. 

Na festa, o estudante Humberto Moura Fonseca, de 23 anos, estudante do 4° ano do curso de Engenharia da Universidade Estadual Paulista (Unesp), morreu vítima de coma alcoólica depois de beber cerca de 30 doses de vodca.

A reportagem do Estado apurou que a estudante Gabriela Alves Correia, de 23 anos, continua internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), do Hospital Estadual. Amigos dela, que pediram para não serem identificados, disseram que ela continuava, pela manhã, respirando com ajuda de aparelhos.

O estudante Mateus Pierre Carvalho, cuja idade não foi informada, e Juliana Tibúrcio Gomes, de 19, que estavam internados no Hospital Estadual, foram removidos pelas famílias para o Hospital da Unimed. O primeiro foi transferido da UTI e está internado em um quarto. Ele não precisou ser submetido a respiração artificial, segundo alguns amigos. 

Já Juliana continua internada na UTI do Hospital da Unimed. Ela passaria por exames e também poderia ser transferida para um quarto.

A festa Inter Reps 2015 previa 10 competições entre as repúblicas, algumas delas para medir a resistência de estudante às bebidas alcoólicas, como a prova Circuito Alcoólico, na qual os estudantes passaram mal. Os estudantes estavam vestidos com camisetas patrocinadas pela Skol. A cervejaria prometeu enviar nota, mas não o fez até as 12h30 desta segunda-feira.

O delegado Seccional de Bauru, Ricardo Luís de Paula Martines, disse que os dois estudantes, Luís Henrique Scafi Mengatti, de 22 anos, e Gabriel Juncal Prudente, de 25, organizadores da festa, estão em liberdade provisória, obtida por meio de alvará de soltura concedido pelo juizado de plantão.

"Eles vão responder por homicídio com dolo eventual e por três lesões corporais também com dolo eventual", afirmou o delegado.

Segundo Martines, a prisão em flagrante se deu após os delegados que atenderam a ocorrência confirmarem a realização das competições e de constatarem que o evento não tinha alvará, autorização para venda de bebidas alcoólicas, e principalmente por não manter uma estrutura adequada de atendimentos aos estudantes.

"O que havia era apenas uma ambulância com uma maca e uma enfermeira que dava chazinho de bolso aos estudantes que passavam mal", disse o delegado Mário Henrique de Oliveira Ramos, que atendeu a ocorrência.

A Polícia Militar teve conhecimento da festa depois que funcionárias da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) telefonaram pedindo ajuda, pois não tinham estrutura para atender a tantos estudantes em coma alcoólico.

A reportagem não conseguiu falar com o advogado Luiz Celso de Barros, que defende os organizadores.

Mais conteúdo sobre:
Trotes Unesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.