Três de bando que 'esquentava' caminhões roubados são presos em SP

Kits e remarcações de chassis eram confeccionados em um galpão na Vila Matilde

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

09 Dezembro 2011 | 04h19

SÃO PAULO - Agentes do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) descobriram um esquema fraudulento de regularização de caminhões roubados e prenderam, na zona leste da capital paulista, nesta quinta-feira, 8, três integrantes da quadrilha, que começou a ser monitorada há cerca de seis meses. Segundo o delegado Marcelo Bianchi, titular da 3ª Divecar, durante as apurações, foram confirmadas fraudes em 400 caminhões. Os agentes descobriram uma empresa especializada na produção de kits contendo plaquetas de identificação dos veículos.

 

O material era utilizado no esquema de adulteração de caminhões roubados que incluía o trabalho de um despachante para regularização junto à Prodesp. Os kits e as remarcações de chassis eram confeccionados em um galpão, no bairro da Vila Matilde, pelo peruano Celso Roldan Lopez, de 53 anos. Ele foi preso em um estacionamento no Bairro Aricanduva juntamente com o comerciante Ridinei Santana de Brito, de 46 anos, acusado de intermediar as negociações entre Lopez e receptadores. O peruano confessou que produzia o material para duas revendas de veículos e peças de caminhões localizadas no município de Guarulhos.

 

Nas lojas, foram achados oito motores e quatro câmbios sem documentos e com sinais de adulteração, mas os proprietários não foram encontrados. Já o vendedor Pedro Francisco dos Santos Filho, de 49 anos, responsável pelos procedimentos junto aos órgãos públicos, foi detido em casa, na Penha. Com grande conhecimento dos trâmites de registros,inclusive de montadoras, ele criava novas informações, usando números reservadas a veículos que ainda seriam fabricados. Com isso, caminhões roubados voltavam a circular como se fossem novos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.