Trens sem manutenção

CPTM - SERVIÇO PRECÁRIO

O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2011 | 03h03

Em 18/10, por volta das 16h30, peguei um trem no sentido Itapevi. Em cada estação o maquinista da CPTM parava por um longo período e informava: "Estamos aguardando a movimentação do trem à frente". Após 50 minutos de viagem, faltando apenas uma estação para a parada em Itapevi, na Estação Engenheiro Cardoso foi anunciado que o trem não prestaria mais serviços, por causa de uma avaria no trem da frente e que era para aguardar. Soubemos que havia um trem travado em Itapevi. Após mais de 40 minutos, os usuários, sem informações, começaram a descer na via - arriscando-se- na tentativa de chegar em suas casas. Permaneci na estação até as 18h15, sem receber nenhuma informação da CPTM. O caos tomou conta do local. A CPTM reforma as estações, mas mantém trens antigos ou sem manutenção. Alguns usados na Linha Grajaú estão circulando agora na Linha Itapevi. Será que a população de Itapevi não merece novos trens? Até quando no horário de pico teremos de aguardar mais de 15 minutos para entrar num trem? Na Estação Barueri isso não leva nem 10 minutos.

TANIA BERNARDO / SÃO PAULO

A CPTM não respondeu.

A leitora diz: Como era de esperar, a CPTM não deu nenhum parecer sobre o ocorrido. Na semana passada, presenciei problemas na Linha Itapevi-Júlio Prestes. Em 18/11 estava no trem por volta das 17 horas e o maquinista informou que aquela composição só iria até Barueri e seria necessário desembarcar naquela estação e aguardar o próximo trem, sem nenhuma justificativa, como sempre.

CICLOFAIXA EM MOEMA

Avenidas congestionadas

A CET implantou a ciclofaixa sem analisar a grande quantidade de carros que circulam pelas Avenidas Pavão e Rouxinol, usadas para efetuar a conexão entre as Avenidas Ibirapuera e Santo Amaro. Não tenho nenhuma objeção à ciclofaixa, mas é preciso tomar algumas precauções, pois a partir das 16 horas a circulação de veículos aumenta. A CET colocou a Zona Azul entre a via de circulação e a ciclovia - estreitando essas avenidas. Falta bom senso.

LUIZ ROBERTO MOURA BONADIA

/ SÃO PAULO

A CET esclarece que a capacidade das vias Rouxinol e Pavão continua exatamente como antes da adoção da Ciclofaixa Definitiva de Moema. São três faixas de rolamento nos horários de pico e, no período entre picos, uma faixa delas é usada pelo estacionamento rotativo do tipo Zona Azul. O uso de bicicleta como meio de transporte - apropriado para viagens de até 5 km - é uma das prioridades da Prefeitura. Moema foi selecionada por causa da sua topografia favorável e suas características de uso do solo. Com a presença da ciclofaixa definitiva, algumas viagens hoje realizadas por automóveis e veículos de carga poderão migrar para a bicicleta, melhorando o trânsito e a qualidade urbana do bairro. Ressalta que espera que os congestionamentos, que já existiam antes mesmo da ciclofaixa, sofram sensível redução. A instalação da Zona Azul à direita da ciclofaixa, distante do meio-fio, foi adotada para garantir a segurança dos ciclistas.

O leitor comenta: Absurdo os gastos com a implantação de placas e pinturas, dadas as enormes quantidades de buracos que continuam na ciclofaixa. Foram colocados pontos de estacionamentos próximos das esquinas, dificultando a entrada de veículos das ruas transversais às avenidas Rouxinol e Pavão. Concordo que a capacidade dessas Avenidas continua a mesma, mas o congestionamento está muito maior. A fiscalização é feita por uma viatura da CET uma vez ao dia (quando muito), mas as vias paralelas há muito não veem um agente.

DESCASO DA EMBRATEL

Três meses sem telefone

Nossa empresa mudou do primeiro para o décimo andar do mesmo prédio, em setembro. Desde 17/8 solicitamos à Embratel a transferência da central telefônica. Mas, passados 3 meses, continuamos sem telefone! A Embratel alega que está aguardando aprovação da diretoria para fazer a transferência. Os clientes estão reclamando e começamos a perder negócios. A Embratel não nos atende, não nos passa uma data e não temos mais a quem recorrer.

SÉRGIO BARATOJO / SÃO PAULO

A Embratel informa que já foi

realizada a mudança de endereço de instalação do serviço de telefonia do cliente, que confirmou o funcionamento das linhas.

O leitor desmente: A Embratel puxou o cabeamento só em 14/11, sem ligar os ramais e as linhas. Um funcionário nosso estudou como fazer a ligação via web e executou a ligação dos ramais. Vou entrar com um processo contra a Embratel por perdas e danos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.