Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Trens e metrô vão funcionar normalmente hoje

Mas situação deve continuar complicada na região do ABC, onde, sem acordo com patrões, motoristas de ônibus mantiveram greve

Renato Machado, Márcio Pinho e William Cardoso, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2011 | 00h00

Após um dia de transtornos, os funcionários da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) decidiram ontem suspender a greve que paralisou todas as estações da Grande São Paulo. À noite, os metroviários aceitaram a oferta salarial do Estado e desistiram da paralisação - dessa forma, todas as linhas vão funcionar normalmente hoje.

Os ferroviários suspenderam a paralisação pelo menos até sexta-feira da próxima semana, quando haverá nova audiência no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Nesse período, será mantido o estado de greve, sem prejuízo à operação. "Vamos dar um voto de confiança ao TRT", diz o presidente do Sindicato dos Ferroviários de São Paulo, Eluiz Alves de Matos. Outros dois sindicatos também desistiram da paralisação.

No fim da manhã, foi realizada uma audiência no TRT na qual se elevou o valor da multa por descumprimento da operação mínima dos trens - deveria ser mantida a operação em 90% nos horários de pico e 70% fora, conforme decisão judicial de anteontem. A multa passou de R$ 100 mil para R$ 200 mil por dia.

À noite, os metroviários aceitaram a proposta de 8% do governo do Estado. Também ficou decidido que todos usarão adesivos em solidariedade aos sindicatos dos ferroviários. Segundo o presidente do sindicato da categoria, Altino de Melo Prazeres Júnior, foi importante superar o patamar dos 6,39% oferecidos inicialmente pelo Metrô.

ABC parado. Por outro lado, os passageiros de ônibus da região do ABC vão continuar enfrentando problemas hoje. Em outra audiência ontem no TRT, os ânimos se acirraram e a negociação retrocedeu. O sindicato dos empresários decidiu recuar na proposta de 8% de reajuste feita anteriormente. "Valia para antes de entrarem em greve. Agora resolvemos que seria melhor deixar a Justiça julgar o melhor valor", diz o advogado do sindicato Francisco Bernardino Ferreira.

Os trabalhadores vão realizar nova assembleia às 9h de hoje. "A greve vai continuar. Vou emitir a proposta à assembleia (de 7,5% feita pela desembargadora). Mas, se a proposta maior já foi recusada, então essa não deve passar", diz o presidente do sindicato dos trabalhadores, Francisco Mendes da Silva. Os trabalhadores devem manter 80% da frota em circulação durante todo o dia. A multa por descumprimento também é de R$ 200 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.