Reuters
Reuters

Trens do Metrô de São Paulo rodaram menos no ano passado

Metroviários alegam superlotação e falhas; já a companhia culpa greve de 5 dias da categoria e migração de passageiros de ônibus

Bruno Ribeiro e Fabio Leite, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2015 | 03h00

SÃO PAULO - O Relatório da Administração do Metrô de 2014, um documento de seis páginas publicado nesta sexta-feira, 24, no Diário Oficial Empresarial, aponta que os trens da companhia em São Paulo tiveram, em 2014, o pior desempenho em dois anos no que se refere à quilometragem percorrida. Na prática, é um dado que mostra que os trens estão circulando menos. 

Ao todo, os 150 veículos da frota do Metrô rodaram 18,06 milhões de quilômetros em 2014, somando todas as viagens feitas ao longo do ano por todos os trens em todas as linhas. Em 2013, entretanto, foram 18,3 milhões de quilômetros. E, em 2012, 18,6 milhões. Na comparação com os últimos dois anos, a queda é de 3% na quilometragem percorrida. 

Funcionários da companhia ouvidos pelo Estado, sob condição de anonimato, apontaram a superlotação como o principal motivo para explicar o dado. “Com mais gente nas plataformas, mais pessoas seguram as portas, impedindo o fechamento e, assim, a saída do trem. Com isso, a composição fica mais tempo parada”, disse um metroviário. Outros motivos seriam o maior tempo de parada de trens para manutenção e mais falhas operacionais. 

O Metrô, porém, contesta as hipóteses. “Os comentários desses metroviários são improcedentes, uma vez que, na última década, o Metrô manteve o mesmo tempo de parada dos trens nas estações - em média, de 20 segundos -, e os processos de manutenção só foram aprimorados”, diz a empresa, em nota. A reportagem pediu dados sobre a relação de falha por quilômetro rodado, mas a informação não foi passada.

Na nota, o Metrô afirmou que a greve de 2014, que fez a companhia operar parcialmente durante cinco dias, foi a principal causa da redução de circulação. Para efeito de comparação, houve um dia de greve em 2012 e um em 2013.

Os dados mostram, entretanto, que mesmo com a paralisação, o total de passageiros transportados no ano não parou de crescer. Em 2012, o Metrô transportou 1,09 bilhão de pessoas; em 2013, 1,1 bilhão; e no ano passado, 1,11 bilhão. 

A nota diz que “para um entendimento melhor do sistema metroviário da capital seria necessário considerar também as viagens realizadas pelos trens da Linha 4 (ramal concedido à iniciativa privada e não incluído no relatório)”. A empresa também citou reorganização de linhas de ônibus por parte da SPTrans.

Recursos. O relatório da administração mostra, ainda, que o Metrô conseguiu, no ano passado, reverter o prejuízo operacional de cerca de R$ 77 milhões e obter lucro de R$ 87 milhões. 

Embora o governo do Estado tenha repassado mais de R$ 250 milhões à companhia para compensar gratuidades - como vale-transporte estudantil e passagem grátis para idosos -, os dados revelam também que a companhia conseguiu mais recursos locando espaços comerciais nas estações. 

Mais conteúdo sobre:
Metrô São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.