Trem quebra e usuários andam sobre os trilhos

Passageiros ativaram botão de emergência entre as Estações Tatuapé e Engenheiro Goulart da CPTM

O Estado de S.Paulo

26 Outubro 2011 | 03h04

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) também registrou problemas ontem, no período da manhã, entre as Estações Engenheiro Goulart e Tatuapé, da Linha 12-Safira.

Um trem que seguia no sentido da Estação Brás teve uma falha mecânica entre as duas paradas, por volta das 6h30. Antes que o maquinista pudesse resolver o problema, segundo a CPTM, passageiros - espremidos dentro da composição - apertaram o "botão soco", que permite a abertura das portas, e começaram a andar nos trilhos. A própria companhia, no entanto, admite a possibilidade de o sistema de abertura das portas ter sido acionado acidentalmente.

A companhia, entretanto, não soube informar quanto tempo demorou entre a parada do trem e o acionamento do botão. Pane parecida, também causada pelo acionamento do botão de emergência, aconteceu na mesma linha, no dia 7. Naquela ocasião, usuários pularam as catracas da Estação Tatuapé do Metrô.

Quando há pedestres nos trilhos, a circulação dos trens precisa ser interrompida, segundo a CPTM por questões de segurança, e o reestabelecimento das operações demora mais. Foi o que a empresa disse para justificar o tempo da pane: a circulação só se normalizou às 8h30, no fim do horário de pico da manhã.

Logo após a parada do trem, o restante das composições continuou circulando na linha, mas com velocidade reduzida e intervalos maiores de um trem para outro. Para isso, o tráfego nos dois sentidos ocorreu nos trilhos que normalmente são usados pelos trens que trafegam no sentido da zona leste.

Como houve demora na retirada dos passageiros, os trens tiveram de parar de circular perto das 7h30 - as composições têm de manter distância mínima de um trem para outro -, o que paralisou as 13 estações da linha por mais de 1 hora. As estações, sem trens, ficaram superlotadas.

Sem opções. A CPTM não informou quantos passageiros foram afetados. A média de usuários da Linha 12-Safira é de 500 mil passageiros nos dias úteis.

Apesar do caos, os usuários não tiveram a alternativa de utilizar ônibus para continuar a viagem, mas a companhia não informou o motivo. A opção dos passageiros foi usar a Linha 11-Coral da CPTM ou a Linha 3-Vermelha do Metrô para chegar até o centro - o que trouxe mais lotação às duas linhas - ou a rede de ônibus comuns, sem a integração tarifária comum em casos de pane.

Os passageiros, segundo a CPTM, receberam orientações de como proceder. Não houve registro de pessoas feridas nem de atos de vandalismo. / B.R., COLABOROU MÁRCIO PINHO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.