Trem para por 30 minutos no pico e causa tumulto

Pane ocorreu no início da noite na Linha 11 da CPTM. Estações chegaram a ser fechadas para evitar aglomerações; houve correria e quebra-quebra

BRUNO RIBEIRO, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2011 | 03h04

Um trem da Linha 11-Coral da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) quebrou ontem perto da Estação José Bonifácio, na zona leste, e interrompeu a circulação do ramal por 30 minutos. De acordo com informações da CPTM, toda a ocorrência durou 1 hora e 20 minutos, mas só causou paralisação por meia hora. A pane, que começou às 18h50, no horário de pico, trouxe tumulto a estações como Tatuapé, onde há interligação entre Metrô e CPTM. Lojas chegaram a ser fechadas e usuários pularam grades e catracas para seguir viagem.

A CPTM não estimou quantos usuários foram atingidos. Por dia, a linha transporta cerca de 500 mil pessoas. A Linha 11-Coral faz a ligação entre as Estações Luz, no centro, e Estudantes, no extremo leste da cidade.

Segundo a CPTM, o problema começou quando um trem que se aproximava da Estação José Bonifácio perdeu a tração. A companhia diz que havia enviado uma equipe de manutenção até o trem, mas que usuários acionaram o botão de abertura das portas antes de a equipe chegar. Os passageiros seguiram viagem caminhando pelo trilho.

Ainda de acordo com a empresa, o fato de haver pedestres na via impediu que o trem quebrado fosse rebocado, o que atrasou ainda mais o retorno às operações. As 16 estações da Linha 11-Coral tiveram de restringir o acesso de usuários, para evitar superlotação nas plataformas.

A CPTM disse não ter registros de tumultos nas estações, exceto a formação de filas de espera do lado de fora.

A pane comprometeu também o funcionamento do Metrô. Na Estação Tatuapé, os usuários da CPTM tentaram seguir viagem de metrô (as linhas da CPTM e do metrô são paralelas até a Estação Corinthians-Itaquera), o que provocou superlotação também na Linha 3-Vermelha. "Ficou uma confusão enorme, porque o pessoal não queria pagar a passagem de novo (na baldeação, que não é gratuita naquela parada). Então, eles começaram a pular as catracas", disse uma lojista que trabalha ali.

Confusão. Durante o tumulto, alguns usuários chegaram a ligar para a polícia. Ao menos dois telefones de plataforma, que são reservados para o uso de agentes da companhia, foram danificados. Os usuários também pularam grades de cerca de dois metros de altura, que dividem as estações do metrô e da CPTM, para entrar no metrô. "Depois de uns 20 minutos, os funcionários abriram essa grade, e então a muvuca acabou", disse outra lojista.

As lojas da estação foram fechadas, mas nenhuma delas foi alvo de vandalismo. "Era uma multidão. Os funcionários do metrô, que eram uns quatro ou cinco, não tinham o que fazer, a não ser ficar olhando", disse a lojista. Apesar da confusão, até as 21h30 a Delegacia do Metrô, instalada na Barra Funda, na zona oeste, não havia recebido nenhuma notificação sobre o caso.

A CPTM disse que o problema só se encerrou às 20h10, quando o trem danificado foi retirado. Às 21h, a Estação Tatuapé já tinha operação normal.

Texto atualizado às 18h47 do dia 23/9/2011 para correção de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.