Guilherme baffi/Diário da Região/Estadão
Guilherme baffi/Diário da Região/Estadão

Trem de carga volta a circular em São José do Rio Preto

Normalização ocorre nove dias depois acidente na zona urbana, que matou oito pessoas

Chico Siqueira, Especial para o Estado

03 Dezembro 2013 | 14h09

ARAÇATUBA - Nove dias depois do acidente que matou oito pessoas e feriu outras oito, os trens de carga voltam a circular, nesta terça-feira, 3, pela zona urbana de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) autorizou a volta dos trens depois que a América Latina Logística (ALL) recuperou o trecho onde dez vagões de uma composição carregada com milho descarrilaram destruindo duas casas e danificando outras três. O acidente também interrompeu o transporte de produtos, como grãos, açúcar e combustíveis, entre Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e o Porto de Santos (SP), causando um congestionamento de composições na ferrovia.

Com a liberação do trecho, cerca de 800 vagões, com 250 mil toneladas de produtos, que foram bloqueados e estão parados nas proximidades de Rio Preto, poderão prosseguir a viagem. A liberação também vai desafogar, com a volta do fluxo nos próximos dias, os armazéns da ALL, que na sexta-feira atingiram o limite da capacidade estática de armazenamento e já não mais recebiam grãos e farelo no Mato Grosso. A malha é um dos principais corredores de exportação de grãos do Mato Grosso. Por ela, passam 75% da produção daquele Estado destinada à exportação. Nos 2,5 mil quilômetros entre Santos (SP) e Rondonópolis (MT) trafegam 80 mil toneladas de produtos nos dois sentidos.

No entanto, o fluxo ainda deve demorar mais alguns dias para voltar ao normal. Segundo a Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT), a circulação dos trens, por enquanto, é assistida. Dois engenheiros da ANTT acompanham o maquinista na composição enquanto ela estiver atravessando o trecho de Rio Preto. O limite de velocidade nas passagens de níveis foi reduzido de 25 km/h para 22 km/h e até que os novos trilhos e dormentes se consolidem, a passagem permanecerá assistida, segundo a ANT. Isso deve demorar mais alguns dias.

Mais conteúdo sobre:
rio pretotremacidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.