Trecho destruído da Dutra ganhará viaduto

Deslizamento em janeiro fez com que pista no km 197 fosse interditada; obra de 120 metros vai custar R$ 6 mi e deve ser entregue em 3 meses

Ana Bizzotto, O Estadao de S.Paulo

18 Março 2010 | 00h00

Começa hoje a construção de um viaduto de 120 metros no km 197 da Via Dutra, no sentido Rio. A obra será feita no trecho destruído por uma queda de encosta, no dia 31 de janeiro. A obra custará R$ 6 milhões e o prazo para a conclusão é de três meses. Até lá, o fluxo entre os km 199 e 197 segue em mão dupla, na pista sentido São Paulo.

A concessionária NovaDutra concluiu que a reconstrução da pista poderia sobrecarregar o terreno, já afetado pelo rompimento da terra. A queda de encosta foi provocada pelas fortes chuvas que encharcaram o solo e abriram uma cratera de 80 metros de comprimento.

"A construção do viaduto foi a melhor solução técnica encontrada, a que melhor se adapta às condições geológicas", disse o engenheiro Luiz Felipe Alves, responsável pela área de projetos da empresa.

Após o incidente, a concessionária retirou 20 metros de terra de cada lado do buraco para diminuir o peso e preservar a pista no sentido São Paulo. Segundo Alves, o trecho foi impermeabilizado com concreto projetado e 40 tirantes - barras de ferro de 20 m - injetados com cimento para reforçar o que restou do terreno. Outra medida foi a instalação de drenos entre os tirantes, para retirar água e aliviar o peso do solo.

"Depois que fizeram a sondagem, concluíram que havia várias trincas no subsolo e, por isso, não dava para aterrar", explicou o encarregado da obra de contenção, José Antônio Nascimento. "Uma das alternativas era recompor a rodovia, mas vimos que não seria uma solução adequada pelas condições geotécnicas do solo."

Acompanhamento. A concessionária também instalou marcos topográficos e inclinômetros para avaliar o comportamento do maciço de terra. "Esse acompanhamento é muito importante, é com base nele que checamos a necessidade de soluções adicionais", explicou Alves.

O viaduto será construído sobre três vãos de 40 m de comprimento cada um. As obras de fundação terão início hoje e devem durar 60 dias. Serão instaladas oito tubulões de concreto de 20 m de profundidade por 1,20 m de diâmetro.

Depois que as vigas metálicas forem lançadas sobre os pilares, a empresa responsável pela fundação construirá um tubo de concreto em volta de cada pilar para monitorar possíveis movimentações de terra.

Sítio. A empresa Singulare, responsável por executar as obras do viaduto, alugou duas casas de um sítio perto do trecho da obra. Com a queda da encosta, uma das estradas e um portão que dão acesso ao local foram destruídos. "A chuva foi muito forte, por sorte tenho outro acesso, senão seria complicado", diz o proprietário do sítio, José Ramos. "Mas tenho seguro e a concessionária se prontificou a reembolsar qualquer prejuízo."

Alternativas

JOSÉ ANTÔNIO NASCIMENTO

ENCARREGADO DA OBRA

"Uma das alternativas estudadas era recompor a rodovia, mas não seria uma solução adequada"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.