Tratamento só em agosto

SAÚDE PÚBLICA

O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2012 | 03h04

No dia 24/4 estive no AMA Água Rasa por causa de fortes dores no braço direito, que começam no ombro e seguem até as pontas dos meus dedos. A médica que me atendeu nem levantou a cabeça, só perguntou qual era o problema. Ao relatar as dores, ela disse: caso de ortopedia. Ela aplicou injeção e receitou remédio. No dia seguinte, fui à Rua Síria, no Tatuapé, conforme a indicação dela. No guichê, fui orientado a seguir ao pronto-socorro do Hospital. Lá, fui atendido por um ortopedista, que perguntou o que eu sentia. Respondi e ele, sem me examinar ou pedir exames, falou que se tratava de caso de coluna e que eu precisava ir a um ortopedista. Perguntei onde poderia encontrá-lo - mesmo estando diante de um - e ele respondeu que não sabia. Enviei e-mail para a Secretaria Municipal da Saúde e para a Ouvidoria. Como não recebi resposta, fui à Ouvidoria no dia 26/4. Lá, em vez de indicação de ortopedista, recebi protocolo da reclamação, com prazo de 10 dias para resposta.

ANTONIO FERREIRA DOS SANTOS / SÃO PAULO

O sr. Santos foi atendido por um ortopedista no dia 3/5, no AMA Especialidades Vila Bertioga. Os relatos dele não condizem com o padrão de atendimento que deve ser prestado pelos profissionais de saúde. Por isso, a reclamação será enviada para as áreas gestoras dos serviços citados para que medidas administrativas sejam adotadas e posturas inadequadas, corrigidas.

O leitor confirma: Realmente fui atendido. O médico, atencioso, pediu raio x. Agora, pasmem: o retorno para apresentar o exame para o início do tratamento foi marcado para o dia 23 de agosto. Como vou suportar as dores até lá?

TELEFÔNICA-VIVO

Sem Speedy há semanas

Há semanas estamos com problemas na conexão do serviço Speedy da Telefônica em nossa empresa, com prejuízos diversos. Técnicos já estiveram no local, mas ninguém conseguiu solucionar a falha. O mais curioso é que a falta de conexão surgiu depois que a Telefônica começou a instalar o serviço via fibra ótica na região (Barra Funda). A empresa trata a situação com enorme descaso.

MARCOS ORESTES / SÃO PAULO

A Telefônica Vivo informa que, após ajustes técnicos, o Speedy do leitor está funcionando normalmente. A empresa diz que o cliente será ressarcido proporcionalmente ao período em que o serviço apresentou problema.

O leitor relata: Só não foi dito que o problema ocorreu porque nos foi vendido um serviço de 4 mega de velocidade, mas, na minha região, o serviço só chega a 2 mega, como explicou o técnico da empresa.

CORREIOS

Remessa foi devolvida

Meu marido comprou um telefone nos EUA pela internet em janeiro, sabendo que teria de pagar todos os impostos. Surpreendentemente, até hoje não recebemos o aparelho. Em abril soubemos que o objeto tinha sido devolvido ao remetente e que o prazo de retorno ao correio de origem era de 90 dias. O que nos deixa indignados é a falta de explicação para a devolução, sem contar o prazo para que o remetente receba de volta a mercadoria, que é demasiadamente demorado.

CLEUSA POSENATO / SÃO PAULO

Os Correios informam que o objeto foi liberado pela Receita Federal em 14/2 e incluído no fluxo postal para entrega ao destinatário. Mas, por falha operacional que está sendo apurada, foi devolvido ao remetente. E que a indenização pode ser paga ao destinatário, se o remetente registrar ocorrência no correio de origem, transferindo o direto de ressarcimento.

A leitora reclama: O produto foi devolvido ao remetente e este não responde mais os meus e-mails. Perdi o dinheiro e perdi o aparelho telefônico. Somente nós ficamos no prejuízo.

ESTÁCIO UNIRADIAL

Nem sinal do diploma

Concluí o curso de Administração Geral na Estácio Uniradial (câmpus Brooklin) em 2009. Solicitei o diploma no início de 2010, mas não tenho respostas sobre o processo. Não há pendências e tenho carta de conclusão do curso emitida pela faculdade. Qual a razão do atraso?

DANIELE REBOUÇAS DE BRITO / SÃO PAULO

A Estácio Uniradial informa que solicitou à aluna que comparecesse à unidade, munida de documentos pessoais e acadêmicos, para a assinatura da ata de colação, procedimento indispensável para a emissão do diploma.

A leitora critica: Passei na unidade, entreguei a documentação e assinei o livro. A funcionária que estava cuidando do caso saiu de férias, retornou, mas até agora não tive resposta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.