Tratadora tem ferimentos graves ao ser atacada por chimpanzé em SP

Mulher, que há 8 anos trabalhava no local, fazia limpeza do espaço em que vivem os primatas, com cerca de mil metros quadrados

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2016 | 20h24

SOROCABA - Uma tratadora de 45 anos sofreu ferimentos graves ao ser atacada por um chimpanzé no santuário de fauna exótica mantido pelo GAP - Projeto dos Grandes Primatas, nesta sexta-feira, 8, em Sorocaba, interior de São Paulo. A mulher, que há oito anos trabalhava no local, fazia a limpeza do espaço em que vivem os primatas, com cerca de mil metros quadrados, quando o animal deixou seu recinto e investiu contra ela. 

Os gritos da mulher atraíram outros funcionários que conseguiram conter e dominar o chimpanzé.      A tratadora sofreu fraturas expostas nos braços e nas pernas, além de ferimentos no nariz e perda parcial de um dedo. Ela foi levada por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ao Hospital Regional de Sorocaba. Depois de ser medicada, a paciente foi transferida para um hospital particular. Seu estado de saúde não foi informado.

Em nota, o GAP informou que após o ataque à funcionária, foi acionado um plano de emergência para garantir a segurança dos demais funcionários. “A prioridade é dar todo o suporte à funcionária e sua família durante o período que for necessário. Vale ressaltar que o mantenedor está com todas as licenças e documentos em dia e regulares perante o órgão ambiental”, informa a nota.

O santuário ocupa uma área de 56 hectares à margem da rodovia Castelo Branco e abriga cerca de 50 chimpanzés, além de outros 250 animais, entre felinos, ursos, outros primatas e aves. A unidade dispõe de dois veterinários e cerca de vinte tratadores.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Samu

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.