Transporte caro e ineficiente

SANTO ANDRÉ

O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2012 | 03h05

Na vila de Paranapiacaba, em Santo André, o transporte público é de péssima qualidade. Somos atendidos por duas linhas intermunicipais de ônibus (040 TRO e 424 TRO) que são operadas pela Viação Ribeirão Pires, sob a responsabilidade da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (Emtu). O fato é que a Viação Ribeirão Pires está no ranking da Secretaria dos Transportes Metropolitanos como uma das piores prestadoras de serviço da região metropolitana de São Paulo. O órgão responsável por fiscalizar as linhas nada faz para melhorar o serviço. A tarifa da linha que liga Paranapiacaba ao centro de Santo André é de R$ 4,70, mas há poucos veículos para atender todos os usuários e os que existem são reaproveitados de outras empresas e, evidentemente, não passam por manutenção.

FERNANDO HENRIQUE NEVES DE MEDEIROS / SANTO ANDRÉ

A Emtu-SP esclarece que balanço feito em outubro constatou que 12 veículos da Viação Ribeirão Pires não foram liberados para circulação. Na Área 5, que compreende os sete municípios do Grande ABC, 60 ônibus foram apreendidos em 2012, até setembro. Até dezembro, está prevista a publicação do edital de licitação para o transporte intermunicipal na região, em um modelo de permissão que contempla exigências contratuais com indicadores de qualidade de serviço, operação e frota, além de indicadores de desempenho econômico-financeiro das empresas e índice de satisfação dos usuários.

O leitor comenta: A resposta é teórica. Na prática temos um transporte caro, ineficiente e sem fiscalização. Por que não tiram uma das duas linhas desta empresa para equilibrar a concorrência?

VILA MARIANA

Via com asfalto remendado

Gostaria de saber da Subprefeitura Vila Mariana se existe previsão de recapeamento da Rua Bartolomeu de Gusmão, na Aclimação, no trecho entre a Avenida Lins de Vasconcelos e a Rua Dona Brígida. A via é de trânsito intenso, mas o asfalto, o mesmo há mais de 20 anos, está repleto de remendos.

RICARDO RAYES / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras, por intermédio da Superintendência das Usinas de Asfalto (SPUA), informa que realizará vistoria na R. Bartolomeu de Gusmão e, caso seja constatada a necessidade de recapeamento, a via será inclusa nos próximos lotes de serviços. A Subprefeitura Vila Mariana manterá, se necessário, serviços de tapa-buraco para diminuir os problemas relatados.

O leitor comenta: Espero que a rua seja incluída em futuras etapas de recapeamento. Só acho estranho a administração municipal não ter notado antes o estado da via, que é de grande fluxo de veículos e a principal ligação entre a região da Avenida Paulista e Jardins com o Ipiranga e a região do ABCD.

SEM PARAR/VIA FÁCIL

Fatura chega vencida

Mais uma vez venho reclamar da não entrega de fatura por parte do Sem Parar/Via Fácil. Recebo todas as outras contas em tempo hábil para pagamento - só com o boleto do Sem Parar/Via Fácil isso não ocorre. Meu sobrinho, que passa pelo mesmo problema, disse que paga a conta pela internet. Mas e quem, como eu, não tem internet em casa? Por que então, ao adquirir o serviço, eles dão a opção de pagamento via boleto? Já fui prejudicada várias vezes, pois a TAG é bloqueada e eu nem fico sabendo. Além disso, o atendimento pelo telefone é desencontrado, não há informações correlatas, um não sabe o que o outro falou. Por que fornecer um protocolo se o atendente não tem registro do que se falou anteriormente? O serviço custa caro, mas é de péssima qualidade.

ROSELI ROBERG / VALINHOS

O Sem Parar/Via Fácil diz que as faturas da cliente foram postadas em tempo hábil; sendo assim, avisou o Centro de Distribuição dos Correios da região onde ela reside.

A leitora reclama: No dia 4/10 falei, pela sexta vez, com uma representante da ouvidoria, mas nada foi feito. As faturas não chegam antes do vencimento e resolvi devolver a TAG.

RIO-SANTOS

Cadê a placa de velocidade?

Ratifico a revolta do leitor sr. Pedro Loeb (São Paulo Reclama, ed. de 3/10, pág. C2), pois fui vítima da mesma "armadilha" da "turma da multa". Viajo ao litoral desde 1994 e nunca vi esta placa de 40 km/h no km 193, como informa o Departamento de Estradas de Rodagem (DER). No dia 26 de agosto, à 12h25, fui multado por trafegar a 48 km/h!

LUIZ ROBERTO SAVOLDELLI /

SÃO BERNARDO DO CAMPO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.