Transmissão ao vivo no Rio mobiliza cariocas

53% dos televisores na cidade ficaram ligados, segundo Ibope; Globo derrubou grade e marcou 29 pontos de média

Patrícia Villalba / RIO, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2010 | 00h00

Números prévios da medição de audiência feita pelo Ibope comprovaram, no fim da tarde de ontem, o que se viu pela cidade ao longo do dia: o carioca ficou paralisado em frente à TV vendo as cenas de guerra entre policiais e traficantes na Vila Cruzeiro, na zona norte.

Ontem, havia mais televisores ligados no Rio do que em São Paulo - 53% contra 36%.

A Globo, que derrubou sua grade de programação no Rio e transmitiu ao longo da tarde as imagens de dezenas de bandidos armados fugindo em direção ao Morro do Alemão, marcou 29 pontos de média (1 ponto = 37 mil domicílios) entre 14h13, quando terminou o Jornal Hoje, e 18h, início da novela Araguaia, com share (participação nos televisores ligados) de 55%.

Em São Paulo, onde a emissora manteve a programação normal interrompida por vários flashes, o Ibope chegou a 14 pontos, com 36% de participação na audiência total. Os números foram divulgados pela assessoria de imprensa da emissora.

Foi a maior cobertura da Globo para uma ação policial desde o sequestro do ônibus 174, em 12 de junho de 200o. Para segurar as mais de seis horas extras no ar, foram mobilizadas todas as equipes de rua, e ainda deslocado seu helicóptero de São Paulo.

Geradas a partir dos dois Globocops que sobrevoavam o Complexo do Alemão, as imagens da fila indiana de bandidos fugindo pela Serra da Misericórdia, no lado oposto ao que era invadido pela polícia, chegaram a surpreender os comandantes da segurança.

Emoção. A fuga foi narrada com certa emoção pelo especialista em segurança da Globo, Rodrigo Pimentel, ex-integrante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e conhecido por ter inspirado o personagem Capitão Nascimento, vivido por Wagner Moura em Tropa de Elite e Tropa de Elite 2.

"A polícia precisa curtir esse momento", disse Pimentel, referindo-se ao apoio que a população do Rio tem manifestado às ações policiais.

Na guerra pela audiência, a Record mobilizou suas equipes e fez flashes mais longos que o normal, mas optou por não derrubar a grade de programação.

Segundo dados divulgados pela emissora, o policialesco Balanço Geral, apresentado por um inflamado Wagner Montes, liderou o Ibope entre 12h e 14h30, com picos de 21 pontos.

Apesar de ter sido bloqueado o espaço aéreo na região, os helicópteros foram fundamentais na cobertura. O da Record sobrevoou a cidade em busca de imagens dos conflitos e flagrantes de novos ataques.

No Hoje em Dia, por volta das 11h15, o apresentador Celso Zucatelli narrou o deslocamento de um comboio da polícia que se preparava para invadir o Morro do Jacarezinho e levantou uma dúvida: "Não estariam os bandidos vendo isso pela TV?" / COLABOROU ROBERTA PENNAFORT

NA IMPRENSA INTERNACIONAL

EL PAÍS

O jornal espanhol El País publica hoje com destaque notícias sobre a escalada de violência no Rio. Uma chamada na capa do diário alerta os leitores para a matéria. Na primeira página do site do jornal, as informações tiveram destaque ontem, assim como fotos de policiais apontando fuzis acima da frase "Rio envia tanques às favelas em batalha decisiva contra o tráfico". Na seção internacional, a reportagem era manchete. O texto da matéria lembrava logo no começo que a cidade será a sede das Olimpíadas de 2016.

LE MONDE

O setor de notícias internacionais do jornal francês Le Monde deu destaque ao uso de blindados pela polícia carioca para a ocupação da favela da Vila Cruzeiro ontem. Uma galeria com nove fotos da ação mostrou os veículos militares e policiais militares do Bope com armas nas mãos, além de três veículos que acabaram queimados pelos criminosos. Breves relatos acompanhavam as fotos.

BBC

A página na internet da rede inglesa BBC deu grande destaque à ação policial no Rio ontem. Imediatamente abaixo da manchete do setor internacional, uma chamada para a matéria anunciava que a cidade realizava uma operação contra o crime organizado. Na reportagem publicada no site, o destaque inicial foi dado à utilização dos veículos da Marinha para o transporte de policiais fortemente armados. A matéria anunciava ainda a morte de "pelo menos 30 pessoas" desde que a onda de violência começou.

THE NEW YORK TIMES

No site do jornal americano The New York Times, a matéria contava que a polícia carioca havia feito incursões em "mais de uma dúzia de favelas" no Rio ontem. E a onda de violência na cidade levantava questões sobre a segurança tanto durante a Copa do Mundo de 2014 quanto nas Olimpíadas de 2016, que a cidade sediará. O texto falava de bloqueios de criminosos, carros queimados e arrastões.

EL CLARÍN

O jornal argentino El Clarín deu grande espaço à violência no Rio. A notícia ocupou lugar de destaque, ao lado da manchete do portal do diário ontem. No setor de notícias internacionais, era a principal reportagem, com a chamada "Tanques entram em uma favela do Rio para ajudar na luta contra quadrilhas de tráfico". Uma galeria com 15 fotos foi publicada no site. As imagens mostravam carros militares, policiais e veículos queimados. A matéria também destacava as sete mortes de ontem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.