Trânsito volta a ficar tranqüilo nas principais estradas de SP

No início da noite, Infraero aponta atrasos de mais de meia hora em 216 vôos, dos 1.584 previstos em todo País

Fabiana Marchezi, estadao.com.br

24 Dezembro 2008 | 18h36

O movimento era tranqüilo na tarde desta quarta-feira, 24, véspera de Natal, tanto nas rodovias federais quanto nas estaduais de São Paulo, segundo as polícias rodoviárias e as concessionárias que administram as estradas. No início desta tarde, o tráfego chegou a ficar intenso, mas não foram registrados pontos de congestionamento. Até as 15h30, ainda não havia registros de congestionamentos ou acidentes que atrapalhassem a viagem dos motoristas.   Veja também: Confira o que abre e o que fecha em São Paulo no Natal Acompanhe a situação do trânsito rua-a-rua    Saiba como fugir do estresse no trânsito na época do Natal   Gol culpa mau tempo em Manaus por atrasos Confira a situação dos aeroportos no site da Infraero   De acordo com a Ecovias, empresa que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, que liga a capital à Baixada Santista, entre 14h e 15 horas, 4.700 veículos utilizaram as duas rodovias rumo ao litoral. Cerca de 149 mil veículos seguiram rumo às praias desde a 0h de segunda-feira, 22, quando a contagem foi iniciada.   Aeroportos   Em boletim divulgado às 19h desta quarta, a Infraero aponta atrasos de mais de meia hora em 216 vôos, dos 1.584 previstos para todo o País até aquele horário. O índice representa 13,6% do total das operações. Outras 199 decolagens foram canceladas (12,6% das operações).   Em Congonhas, São Paulo, o índice de atraso é de apenas 1%. Já em Cumbica, é de 22,4%. No Rio, o aeroporto do Galeão, que ontem foi o de maior porcentual de problemas, chegando a 40% de decolagens fora do horário previsto, registra, segundo a Infraero, 16,2% de operações em atraso.   (Com Fábio M. Michel, da Agência Estado)   (Matéria atualizada às 20h20) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.