Trânsito no horário de rush da tarde piora 26%

Dados da CET indicam que atual média de lentidão entre 17h e 20h já alcança índice de antes da ampliação da Marginal do Tietê

BRUNO RIBEIRO, RODRIGO BURGARELLI, O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2012 | 03h02

O trânsito da capital paulista no horário de pico da tarde está, em média, 26% pior do que no ano passado. Dados da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) obtidos pelo Estado mostram que, entre 17 e 20 horas, as filas de carros presos no congestionamento cresceram, em média, de 63 quilômetros, em 2011, para 80 quilômetros neste ano.

Com isso, a média de 2012 já é igual à registrada no ano de 2010, quando as novas pistas da Marginal do Tietê foram inauguradas. A expectativa, na época, era de que, com a obra de R$ 2 bilhões, demoraria pelo menos cinco anos para o trânsito voltar ao antigo patamar.

Comparando apenas o período pós-restrição a caminhões na Marginal do Tietê (e em outras 25 vias da cidade), que começou a valer em 5 de março, com o mesmo período do ano passado, o aumento dos congestionamentos foi ainda mais intenso: cresceu 28% - de 69 para 89 quilômetros de filas de carros, na média.

Já no horário de pico da manhã, das 7h às 10h, os números se mantiveram estáveis na comparação entre 2011 e 2012. Isso significa que o trânsito não piorou de manhã, mas também deixou de melhorar.

O levantamento foi obtido por meio da Lei de Acesso à Informação, que obriga órgãos públicos a repassar dados a cidadãos. Leva em conta os anos entre 2008 e 2011 e os cinco primeiros meses de 2012. A ressalva a ser feita é que, até 2010, o volume total de vias monitoradas pela CET era menor - não incluía as novas pistas da Marginal do Tietê, que juntas têm 46 quilômetros de extensão.

Especialistas ouvidos pelo Estado afirmam que tanto as novas pistas na Marginal quanto a restrição aos caminhões ao redor do centro da cidade abriram espaço para mais carros. Uma melhora temporária na circulação atraiu motoristas para essas vias, o que fez o congestionamento aumentar.

O levantamento revela também que os congestionamentos em São Paulo estão ficando mais intensos. No ano passado, os registros da CET mostram que, em 46 dias, o índice de lentidão ultrapassou os 100 quilômetros de filas. Desses, em apenas 9 dias as filas de carros chegaram a 150 quilômetros. Já neste ano foram 65 dias com registro maior do que 100 quilômetros de congestionamento. Nesse total, 19 dias tiveram mais de 150 quilômetros de lentidão.

Ainda em 2012, o levantamento aponta cinco dias em que as filas chegaram a 200 quilômetros - índice alcançado uma única vez no ano passado, em 4 de março, uma sexta-feira.

Explicações. Já a Secretaria Municipal de Transportes diz, em nota, que o aumento do trânsito neste ano fica dentro da média registrada ao longo do período entre 2008 e 2011. "Apesar do significativo aumento da frota registrada em São Paulo nos últimos anos, a cidade manteve os patamares de lentidão registrados nos últimos quatro anos. Ao se comparar a média de lentidão registrada na cidade de janeiro a junho - no acumulado dos anos de 2008 a 2011 - com o mesmo período de 2012, verifica-se uma pequena queda neste primeiro semestre de 2012."

A queda a que a companhia se refere é na diária (inclui o período fora dos horários de pico, que estão com índices menores). Para a companhia, a manutenção da média de lentidão é um fator positivo. "Como a frota registrada em São Paulo aumentou 14,7% de 2008 para 2012, pode-se concluir que as medidas de trânsito implementadas na cidade surtiram resultados positivos", afirma o texto.

Atípico. A secretaria ressalta ainda que o ano passado foi atípico - fruto da acomodação dos motoristas, que ainda estavam se adaptando às novas pistas da Marginal. "Para chegar a essa conclusão, a CET analisou as médias de janeiro a agosto de 2012, em comparação com as médias dos anos de 2009, 2010 e 2011", diz a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.