AE
AE

Trânsito mata mais, apesar de ações da PM e da CET

Estatísticas da Secretaria da Segurança Pública mostram crescimento de 4,4% nas mortes em SP, no primeiro trimestre

Gio Mendes e Caio do Valle - Jornal da Tarde,

03 de maio de 2012 | 03h03

O trânsito na cidade de São Paulo está mais violento. É o que mostram dados do primeiro trimestre deste ano divulgados pela Secretaria da Segurança Pública. No período, o número de homicídios culposos - quando não há intenção de matar - por acidentes foi de 166, ante 159 nos três primeiros meses do ano passado, um aumento de 4,4%. Já as lesões corporais subiram 2,9%, de 6.155 ocorrências para 6.335 no período.

A evolução ocorreu apesar de ações da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) para tentar reduzir a mortalidade nas vias da capital. Caso do programa de proteção aos pedestres, lançado em maio do ano passado, e da diminuição da velocidade máxima permitida em diversas avenidas, como a 23 de Maio, a Paulista e a Radial Leste. Esse projeto foi intensificado também ao longo de 2011.

O consultor de tráfego Flamínio Fichmann acredita que os dados revelam um "insucesso" das políticas adotadas pelos governos municipal e estadual. "Esses números seriam mais altos sem a campanha de redução de acidentes com pedestres." Um relatório que a CET divulga hoje deve mostrar que as mortes de pedestres caíram na cidade em todo o ano passado. Questionado ontem, o órgão não divulgou a quantidade exata. A CET informou em nota que a Secretaria Municipal dos Transportes, à qual é subordinada, "está permanentemente estudando e adotando medidas para reduzir as mortes provocadas por acidentes".

Dolosos. Pela primeira vez, a Secretaria da Segurança Pública passou a divulgar separadamente os casos de homicídios dolosos (com intenção) em acidente de trânsito. No primeiro trimestre deste ano foram registrados oito casos - 4 em março.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.