CELIO MESSIAS/AE
CELIO MESSIAS/AE

Transexual ganha direito de ver marido preso no dia de visita feminina

Após reclamar de constrangimento, Justiça a autorizou a ver o companheiro, que cumpre pena em Ribeirão Preto, na data destinada às mulheres

Rene Moreira, Especial para O Estado

23 Agosto 2016 | 17h53

RIBEIRÃO PRETO - Uma transexual de Ribeirão Preto (SP) conseguiu na Justiça o direito de visitar o marido no Centro de Detenção Provisória junto com outras mulheres. A Defensoria alegou que a reclamante enfrentava situação discriminatória e constrangedora, por ser obrigada a fazer visita no dia destinado aos homens.

Por não ter realizado cirurgia de troca de sexo, a unidade vinha proibindo a transexual de entrar no local junto com as mulheres. Ela tem 33 anos e o preso tem 25. Os dois estão casados há cerca de um ano - o que pesou na decisão do juiz corregedor dos presídios, Luiz Augusto Freire Teotônio.

Ele viu discriminação contra o casal, que agora pode se ver aos domingos, dia de visita feminina. Além disso, a transexual não precisa passar por revista íntima - apenas o marido deve ser revistado após os encontros na prisão. A ação foi movida pela Defensoria Pública do Estado.

Mais conteúdo sobre:
sistema penitenciário transexualismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.