Tiago Queiroz/AE
Tiago Queiroz/AE

Tragédia da TAM deixou 199 mortos

Airbus A320 levava 187 pessoas; nos arredores, estavam 12 vítimas

estadão.com.br

17 Julho 2012 | 07h37

SÃO PAULO, 17 - A tragédia da TAM, que deixou 199 mortos completa, 5 anos nesta terça-feira, 17 de julho.

O acidente com o avião Airbus 320 da TAM no Aeroporto de Congonhas foi o auge da crise aérea que assolou os aeroportos brasileiros e evidenciou a falta de estrutura da aviação civil no País.No dia 17 de julho de 2007 o voo JJ 3054 decolou do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, em direção a São Paulo.

A aeronave pousou por volta das 18h50 no aeroporto de Congonhas, na capital, mas não desacelerou o suficiente durante o percurso da pista, atravessou a avenida Washington Luís e se chocou contra um prédio da própria TAM. A aeronave e o prédio pegaram fogo e criaram um cenário de caos.

No avião, estavam 187 pessoas e, nas proximidades do local do acidente, 12. Entre elas, um taxista que estava em um posto de gasolina atingido pelo avião e os funcionários que estavam no prédio. Todas morreram.

O acidente aumentou a pressão sobre o ministro da Defesa do governo Lula, Waldir Pires, que foi substituído em julho por Nelson Jobim.

Entre outras coisas, o então ministro diminuiu o número de pousos e decolagens em Congonhas e a transferência de alguns voos para o aeroporto de Guarulhos.

Cenipa. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) concluiu, em outubro de 2009, que oito fatores contribuíram de maneira decisiva para a tragédia com o voo 3054. Esse relatório, no entanto, não apontou culpados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.