Tragédia causa grande comoção em cidade suíça

Terra de origem dos imigrantes que fundaram Nova Friburgo coleta dinheiro para mandar ao Brasil, mas avisa que não será dado à prefeitura

, O Estado de S.Paulo

15 Janeiro 2011 | 00h00

A Suíça, país com 65% do território ocupado pelas montanhas dos Alpes, mandará ao Brasil geólogos para ajudar na preparação de um plano de prevenção contra deslizamento de terras. Mas os organizadores da campanha suíça já alertam: não darão dinheiro para o poder público, diante do que os suíços acusam de "falta de continuidade" na administração.

O motivo da preocupação com a região serrana do Rio é a história que liga os dois continentes. Nova Friburgo foi fundada no século 19 por imigrantes suíços, da cidade de Friburgo. Agora, os habitantes daquela cidade, que se dizem "chocados" com as imagens das montanhas fluminenses que chegam à Europa, organizaram a iniciativa com o governo.

A presidente da Suíça, Micheline Calmy Rey, anunciou ainda que está iniciando uma coleta de recursos entre a população de Friburgo. No entanto, o dinheiro será usado só em projetos específicos.

"Temos muita experiência em relação ao comportamento das montanhas e o que se pode e o que não se pode fazer nas encostas", afirmou Raphaël Fessler, presidente da Associação Fribourg-Nova Friburgo, que representa o interesse comum das duas cidades na Suíça. "O que vemos é que o Brasil precisa, acima de tudo, de um sistema de prevenção de desastres e por isso é que vamos usar os recursos para enviar geólogos e preparar um plano."

Calmy Rey revelou que a coleta começou ontem, com a abertura de uma conta bancária na Suíça e uma campanha na imprensa. "Há uma grande comoção por conta das mortes", afirmou a presidente.

Fessler, porém, insistiu que o dinheiro será usado diretamente para projetos administrados pelos suíços e não será dado à prefeitura local. "Conhecemos a realidade no Brasil. Um dos problemas que vemos na administração pública brasileira é que não há uma continuidade nos projetos. Por isso não daremos o dinheiro para a prefeitura", explicou.

Além do dinheiro da população, a prefeitura da cidade suíça também aprovará o envio de recursos públicos e o embaixador suíço em Brasília vai se deslocar para as áreas atingidas para avaliar volume da doação que o governo federal suíço fará.

Os suíços ainda estão preocupados com o desaparecimento do administrador da Casa Suíça em Nova Friburgo, Maurício Pinheiro, mantido pelos suíços há quatro anos para desenvolver a cooperação bilateral. "Até agora não temos notícia dele e isso está nos deixando muito preocupados", disse o presidente da Associação Fribourg-Nova Friburgo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.