Traficantes se refugiam em favelas menores

Polícia prendeu ontem, em diferentes pontos do Rio, quatro criminosos que haviam escapado[br]de ocupação no sábado

Pedro Dantas, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2010 | 00h00

Fugitivos dos Complexos do Alemão e da Penha, na zona norte do Rio, traficantes do Comando Vermelho (CV) estão pulverizados em favelas de menor porte para evitar prisão em massa.

Ontem, quatro deles foram presos em diferentes pontos da cidade. De acordo com relatos de moradores e policiais, depois da escapada por galerias pluviais e de esgoto, as lideranças do tráfico foram para o Morro do Juramentinho, em Tomás Coelho, no subúrbio do Rio. A favela serviu de base para que a quadrilha se dividisse pela zona norte e Baixada Fluminense. Em investida para descobrir o paradeiro dos fugitivos, policiais civis prenderam Thiago Braga de Souza Silva, de 24 anos, o Sapão, gerente do tráfico no Juramentinho.

Na Vila Cruzeiro, os moradores relatam que o chamado "segundo escalão" do tráfico obteve refúgio na Favela do Mandela, no Complexo de Manguinhos, na zona norte, a 5 km do Complexo da Penha. Moradores de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, afirmam que notaram a presença de homens estranhos no Complexo da Mangueirinha.

Ontem, Alex Gomes da Silva, de 24 anos, foi preso em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. Policiais disseram que o acusado fugiu da Vila Cruzeiro para o Complexo do Alemão e depois ficou escondido na cidade. Em outra operação, a polícia prendeu em Santa Teresa, na região central do Rio, Marcos César Alves Romão, de 29 anos, apontado como segurança de Fabiano Atanázio, o FB, ex-chefe do tráfico na Vila Cruzeiro. Dois fugitivos também foram presos em Campo Grande (zona oeste).

Alerta. Três favelas entraram em estado de alerta depois da ocupação do Complexo do Alemão: a Mangueira, em São Cristóvão, a Rocinha, na zona sul, e Manguinhos, na zona norte. Seja pela expectativa de que receberão uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) ou pela possibilidade de estarem abrigando traficantes fugidos do Alemão. Das três comunidades, a que está mais perto de ser pacificada é a Mangueira.

A favela é reduto importante para o CV. Nos últimos dias, a polícia recebeu denúncias de que bandidos teriam se refugiado na comunidade, mas não há informações confirmadas.

Já moradores da Rocinha, comandada por quadrilha rival à do Alemão, têm convivido com o medo imposto pelo tráfico. "Os traficantes têm se preparado colocando pneus com explosivos em várias ruas", disse uma liderança. / COLABORARAM GABRIELA MOREIRA e MARCELO AULER

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.