Reprodução
Reprodução

Traficantes são presos após ostentar lucro do crime nas redes sociais

Ousadia era tanta que o chefe do bando, de 18 anos, postou imagens suas deitado em uma cama forrada com dinheiro

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

08 de outubro de 2015 | 12h33

SOROCABA - Três jovens acusados de tráfico em Sorocaba e de fazer apologia ao crime ostentando o lucro obtido nas redes sociais foram presos nesta quarta-feira, 7, em uma operação da Polícia Civil. A ousadia era tanta que o chefe deles, Luis Gustavo Pereira da Silva, de 18 anos, postou imagens suas deitado em uma cama forrada com dinheiro. As postagens ajudaram a polícia a monitorar e prender o trio.

Em sua página, em que se identifica como 'Gutela Guaiba', Silva posta fotos exibindo colares, relógios caros e folheando maços de dinheiro, além de posar em piscinas e praias, com bebidas importadas. Na garagem de sua casa, no Jardim Guaíba, zona norte da cidade, policiais apreenderam drogas, balança de precisão, cadernos com a contabilidade do tráfico e dinheiro. Uma carta escrita por um presidiário indica que ele mantinha correspondência com traficantes presos. O autor do texto pede ao jovem que tenha cuidado para "não cair a casa", ou seja, não ser preso.

Também foram presos Jackson Feliciano da Silva Soler, de 25 anos, e Renato Fernando Elias Carneiro, de 24 anos. Eles aparecem em fotos e vídeos participando da baladas e festas com Silva. Com eles, foram apreendidas 1,5 mil porções de cocaína, 1,5 quilo da droga em tabletes, dois carros e cerca de R$ 15 mil em dinheiro.

De acordo com o delegado de investigações sobre entorpecentes, Wilson Negrão, a quadrilha abastecia com drogas vários bairros da zona norte. Os três foram autuados em flagrante e levados para o centro de triagem da Polícia Civil em São Roque. As investigações continuam na tentativa de chegar aos fornecedores da droga.

Tudo o que sabemos sobre:
SorocabaPolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.