Traficantes em fuga invadem escola no Rio; líder foi preso

Acuados por operação da PM, eles usaram colégio estadual para escapar; ninguém se feriu e aulas foram suspensas

PEDRO DANTAS / RIO, O Estado de S.Paulo

05 Novembro 2011 | 03h05

Uma invasão de traficantes armados em fuga apavorou os alunos do Colégio Estadual Professor Daltro Santos, em um dos acessos para a favela Vila Aliança, em Bangu, na zona oeste do Rio. Acuados por uma operação da Polícia Militar, um grupo de criminosos usou a escola como rota para escapar. Apontado como gerente do tráfico, Wilson Garcia Juarez Junior, de 27 anos, se escondeu no colégio com um fuzil M 16 e deixou os estudantes em pânico com a possibilidade de um tiroteio.

O criminoso foi preso no banheiro do 2.º andar da escola. Ele trocou de roupa com um faxineiro para tentar enganar a polícia, mas foi descoberto quando os agentes checaram os documentos de todos os funcionários. O caso reacendeu o trauma do massacre na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste, que terminou com a morte de 12 crianças, em abril, assassinadas pelo ex-aluno Wellington Menezes.

De acordo com a Polícia Militar, a operação de ontem tinha como alvo os traficantes da Favela da Coreia do Rebu, em Senador Camará (zona oeste), onde o confronto resultou na morte de um traficante. Três homens foram presos nas duas favelas. Foram apreendidos com eles dois fuzis, um AK 47 e um AR 15, mais de mil munições e cerca de 790 trouxinhas de maconha.

Após o susto da invasão à escola, o secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, prometeu instalar uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) no Complexo de Favelas de Senador Camará, mas não definiu data.

Em nota, a Secretaria Estadual de Educação ressaltou que não houve reféns, ninguém ficou ferido, nem houve danos ao patrimônio ou furto de equipamentos. Como medida preventiva, as aulas foram suspensas também, temporariamente, nos colégios estaduais Bangu e Collechio.

A secretaria esclareceu ainda que entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública para que sejam adotadas todas as medidas possíveis para garantir a integridade física e moral de alunos, professores e funcionários. Um encontro entre representantes das duas pastas foi realizado ontem para providenciar reforço no policiamento nas escolas da região. As aulas perdidas ontem serão repostas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.