Traficante tinha novas listas de PMs

Além de detalhes sobre rotina de policiais, foram encontrados com o suspeito um 'salve', ordenando a morte de agentes, armas e drogas

William Cardoso - O Estado de S.Paulo,

29 de novembro de 2012 | 23h49

Duas listas com nomes de sete policiais militares foram apreendidas anteontem com o traficante Fábio Silva de Souza, de 24 anos, no Jardim Macedônia, na zona sul de São Paulo. Também foram encontrados com ele um "salve" (comunicado) determinando a morte de dois policiais para cada integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC) morto, contabilidade do tráfico, armas, bananas de dinamite, explosivos e drogas.

As listas continham detalhes da rotina de policiais militares da zona sul e de Embu das Artes, na Grande São Paulo - em um dos casos, foi dito que um PM ficava "moscando em uma padaria". Segundo a polícia, Souza disse que alguns nomes foram passados a ele diretamente pelo chefe do tráfico em Paraisópolis, Francisco Antonio Cesário da Silva, o Piauí, transferido no dia 8 de novembro para uma penitenciária federal em Porto Velho (RO). Piauí é apontado como o autor de uma primeira lista encontrada em outubro com 42 nomes de policiais, além de endereços, características físicas e locais que eles frequentam. A outra parte foi ditada por telefone, segundo Souza, de uma penitenciária estadual.

Em outro documento, um "salve" destinado aos criminosos do Jardim Macedônia, Jardim das Rosas, Jardim São Luiz, Jardim Leme, Mitsutani e Parque do Engenho, foi ordenada a morte de policiais. "Cada irmão tem a obrigação de derrubar dois vermes (policiais, na gíria dos criminosos) para cada irmão do partido derrubado", diz o texto. Caso a ordem não fosse cumprida, os bandidos seriam cobrados de forma "drástica".

Segundo o titular da 4.ª Delegacia Seccional, Cosmo Stikovics Filho, a PM já foi informada sobre a lista. "Foi passada à Corregedoria." Para o delegado, a situação atual é pior que a onda de ataques de maio de 2006. "Além de endereços, eles falam sobre a rotina dos policiais. Torna-se mais difícil a defesa, é diferente de um confronto direto."

A polícia chegou até Souza após a prisão de três suspeitos há dois meses, na Avenida Água Espraiada, também na zona sul. Aos policiais, ele afirmou que veio de Porto Velho para São Paulo há cerca de um ano e, como não conseguiu emprego, começou a traficar, por intermédio de conhecidos do bairro. Também disse não ter relação com a morte de policiais, apesar das listas.

Tráfico. A polícia encontrou também uma folha de caderno com a contabilidade referente a 13,23 quilos de maconha (descrita como "Bob"), distribuídos por Souza entre outros traficantes da região. A droga, que teria custado R$ 14.553, já havia rendido R$ 25.558 ao distribuidor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.