Ernesto Rodrigues/AE
Ernesto Rodrigues/AE

Tráfego é normalizado na Marginal do Tietê após acidente com carreta-tanque

Motorista perdeu o controle do veículo após o rompimento do chassi; carreta transportava 35 mil litros de produto corrosivo utlizado na fabricação de sabão

Ricardo Valota e João Paulo Carvalho, do estadão.com.br, e Paulo Saldaña, de O Estado de S.Paulo,

21 Julho 2011 | 02h29

SÃO PAULO - Apesar da via expressa da Marginal do Tietê, no sentido Castello, entre as pontes Casa Verde e Limão, na zona norte da capital, permanecer bloqueada, às 2h30 desta madrugada de quinta-feira, 21, não havia mais congestionamento em toda a extensão das pistas local, central e expressa entre a saída da Rodovia Presidente Dutra e o local do bloqueio, onde, por volta das 17h30 de quarta-feira, 20, uma carreta-tanque, transportando 35 mil litros de um tipo de Silicato - produto químico corrosivo utilizado na fabricação de sabão -, tombou após o chassi partir-se ao meio.

 

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), o bloqueio das quatro faixas de rolamento se faz necessário em razão do trabalho da perícia, que deve terminar nas próximas horas. O transbordo da carga e o içamento da carreta já foram feitos. O caso será registrado na Delegacia do Meio Ambiente. O pico de congestionamento na Marginal no sentido Castello foi de 8 quilômetros. No acidente, o tanque com o produto químico ficou sobre a mureta de proteção da Marginal, ao lado do rio.

 

O desafio dos bombeiros era estancar o vazamento para depois retirar o líquido, o que foi feito meia hora depois. Eles também jogaram areia na pista. "Temos 35 mil litros de produto químico. Não podemos encostar na carreta antes de esvaziá-la e transportar tudo com segurança", disse o tenente Ariel Axelson, que coordenava a operação. A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) foi acionada. Antes do acidente, o motorista da carreta havia passado da pista central para a expressa quando o chassi do veículo se rompeu.

 

A cabine seguiu sem controle para cima de um Doblò. O tanque com a carga foi jogado para frente e se chocou contra a mureta. "Perdi o controle total do volante. Nunca vi um caminhão quebrar no meio", disse o motorista João Carlos Ferreira, de 36 anos. O caminhão ia para Indaiatuba, no interior paulista. Ele afirmou ainda que costuma fazer o trajeto ao menos duas vezes por semana. "Só senti a batida e ouvi o vidro do carro estourando", contou o técnico eletrônico Roberto Nakashima, de 37 anos, motorista do veículo de passeio. Ele seguia de Guarulhos, onde trabalha, para sua casa, em Taboão da Serra. "Se o muro não fosse forte, teríamos parado no rio."

 

Lentidão

 

A interdição causou reflexos no trânsito da Marginal. Às 20 horas, o congestionamento no sentido Castelo Branco era de 7 quilômetros o trânsito estava carregado desde a Ponte Jânio Quadros. Em toda a cidade, a lentidão era de 49 quilômetros, abaixo da média para o horário. Cerca de uma hora depois, o congestionamento na pista expressa superou os 8 quilômetros, entre as pontes do Tatuapé e do Limão. A CET liberou uma das quatro faixas da via, e fez um desvio pela pista central da Marginal do Tietê. Nesta, a lentidão da Ponte Cruzeiro do Sul à Ponte do Limão chegou a 4 quilômetros, mesmo índice registrado pela pista local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.