Trabalhadores da Ceagesp encerram greve nesta quinta-feira

Categoria aceitou acordo parcial com a companhia. Reajuste salarial será de 6,38%; porém, aumento real de 5% deve ser julgado no TRT

Felipe Cordeiro e Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

14 Agosto 2014 | 12h26

Atualizada às 17h13

SÃO PAULO - Em assembleia realizada na manhã desta quinta-feira, 14, na sede do Sindicato dos Empregados em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo (Sindbast), os trabalhadores decidiram encerrar a greve iniciada na terça-feira, 12. A categoria retomou as atividades às 11h nas áreas de fiscalização, segurança, manutenção, operacional, administração, controle de qualidade e armazenagem na capital e no interior.

O Sindbast e Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) chegaram a um acordo parcial, que incluiu reajuste salarial de 6,38%, mesmo porcentual de aumento dos benefícios de vale-refeição e cesta básica. 

Já sobre o aumento real de 5%, uma das principais reivindicações da categoria, não houve entendimento. A Ceagesp alegou que, por causa da empresa ter capital de economia mista, está impedida de conceder esse reajuste em ano eleitoral. O Sindbast solicitou o julgamento no Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT/SP) para que o aumento real de 5% seja concedido ainda em 2014.

A audiência ocorreu nesta quarta-feira, 13, no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região com a desembargadora Rilma Aparecida Hemetério, vice-presidente judicial do TRT-2.

Produtividade. A desembargadora propôs a concessão de um aumento de 1,5% a título de produtividade. A Ceagesp informou que levará a proposta para apreciação do Departamento de Coordenação e Governança das Empresas Estatais (DEST), órgão do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. O TRT/SP concedeu prazo de dez dias para uma nova posição da empresa. 

"Foi uma boa caminhada. Abrimos possibilidade de o tribunal fazer essa discussão", afirmou o diretor do Sindicato dos Empregadores em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo (Sindbast). Segundo ele, de 300 presentes na assembleia que optou pelo fim da greve, quatro foram contra. "A maioria concordou. Normalmente o tribunal não devolve os dias parados", disse. 

A assessoria de comunicação da Ceagesp informou que "a proposta será estudada nos próximos dez dias pelo departamento jurídico". Mesmo que acatado o aumento real, a empresa, que é de capital misto, alega que só poderá alterar o salário dos trabalhadores a partir de janeiro de 2015, por causa do ano eleitoral. O reajuste de 6,38%, no entanto, já deve ser aplicado em agosto, incluindo os valores retroativos de junho e julho.

Sem desconto. Sindbast e Ceagesp entraram em um acordo no qual foi definido que não haverá desconto dos dias parados ou qualquer compensação de horas por conta da greve.

Mais conteúdo sobre:
São PauloCeagespGreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.