'Torre de Babel' tem fãs de literatura

Agatha Christie, Dan Brown, Frederick Forsyth. Os best-sellers do romance policial, onde quase sempre o bandido se dá mal no fim da história, são preferidos até na prisão. É assim na Penitenciária de Itaí, no interior do Estado, que abriga 1.438 detentos de 80 nacionalidades. Tanta variedade rendeu à unidade o apelido de Torre de Babel.

O Estado de S.Paulo

11 Março 2012 | 03h01

Lá, há mais de 13 mil livros, escritos em 34 idiomas. Além da língua nativa, o bibliotecário búlgaro, de 21 anos, fala russo, inglês, espanhol e português. Na prisão onde há vários poliglotas, o idioma mais falado é o português, geralmente aprendido em aulas na própria unidade. No entanto, na hora de ler, os detentos preferem o inglês e o espanhol.

E apesar das TVs nas celas, a biblioteca é bastante movimentada, revela o agente penitenciário José Veiga, responsável pelo espaço. "O nível de escolaridade é maior do que em outras prisões", afirma o funcionário. Por isso, há quem prefira leituras mais densas, como O Processo, de Franz Kafka, ou Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez.

Entre os funcionários da prisão, a leitura é vista com bons olhos. Não porque haja um interesse particular na erudição desse ou daquele detento, mas porque esse tipo de atividade ajuda a acalmar e a matar o tempo.

Diretor da unidade, Mauro Henrique Branco explica que a biblioteca foi crescendo com doações. "A editora do Paulo Coelho mandou livros escritos em vários idiomas."

Branco está em Itaí antes de chegarem os estrangeiros, quando a unidade abrigava detentos ameaçados em outras unidades, como estupradores. Em 2006, o governo do Estado resolveu criar a unidade específica para presos de outras nacionalidades que, nas prisões comuns, acabavam sendo vítimas dos brasileiros.

Único. A mistura de nacionalidades transforma Itaí em um presídio diferente de todos os outros. A começar pelo fato de a unidade não ser dominada pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Na penitenciária, de acordo com a direção, nunca aconteceu uma rebelião.

Em um local onde há tanta gente falando línguas diferentes os mal-entendidos poderiam ser frequentes. Atualmente, há cinco israelenses e 18 libaneses na unidade. Apesar disso, diferentemente do que ocorre entre os dois países, não há registro de conflitos por questões religiosas entre muçulmanos e judeus. Também não há confusão entre presos de países que já entraram em guerra. São os latino-americanos, de sangue quente, os que mais dão trabalho para a direção da prisão.

Segundo funcionários, os "marrentos" peruanos, bolivianos e chilenos têm rivalidade com o grupo de africanos, principalmente os nigerianos. Quando começa o bate-boca entre esses grupos, as discussões, quase sempre, acabam descambando para o racismo. /A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.