Tornozeleira dedura preso que matou agente penitenciário

Rastreamento por satélite mostrou que Pereira, em saída temporária de Páscoa, esteve no local do crime

Chico Siqueira, Especial para o Estado

21 Maio 2013 | 15h37

 ARAÇATUBA - O presidiário Jair Alessandro Gomes Pereira, o Pirata, de 26 anos, foi “dedurado” por uma tornozeleira eletrônica pelo assassinato do agente penitenciário Valdemir Moreira Martins, de 44 anos. O agente, que morava em Bauru, foi morto a facadas na zona rural de Jaú, no dia 7 de abril, mas o corpo só foi encontrado no dia seguinte. Pereira, que estava em saída temporária de Páscoa, negou a autoria do crime, mas o rastreamento por satélite da sua tornozeleira eletrônica - aparelho usado por presos em saída temporária ou em semiliberdade - mostrou que ele telefonou para atrair a vítima numa emboscada e esteve no local onde o corpo foi encontrado, num canavial próximo da sua casa, no mesmo dia do assassinato.

Na manhã seguinte ao crime, Pirata foi preso por ter rompido a tornozeleira. “Naquele momento, já tínhamos informações de que ele teria participado do assassinato de um policial. Ele foi ouvido, mas não explicou o ferimento nas mãos, nem como conseguiu R$ 200 encontrado em seu poder e, além disso, caiu em contradições", contou o delegado Edmilson Bataier, da DIG/Dise. Mais tarde, ao encontrar o corpo, a Polícia Civil prenderia Pereira pelo latrocínio do agente.

Segundo o delegado, além do rastreamento da tornozeleira e interceptações telefônicas outras provas comprovam a participação do acusado no crime, cujo inquérito foi concluído nessa segunda-feira, 20.

"Embora estivesse preso em flagrante, ele sempre negou a autoria do crime, dizendo que a obrigação de comprovar sua culpa era da polícia. Agora, está comprovada", comentou o delegado. O rastreamento por satélite da tornozeleira comprovou que Pereira usou um orelhão próximo da casa dos pais para ligar para o agente, o atraindo até Jaú. "E, depois, o rastreamento mostrou que o acusado passou pelo local do crime", contou o delegado.

De acordo com Bataier, as interceptações e documentos apreendidos na casa do agente mostraram que ele e o presidiário se conheciam, mas não se sabe qual foi o argumento usado pelo presidiário para atrair o agente até Jaú. O corpo de Martins foi encontrado com facadas ao lado do carro, um Fiat Siena, num canavial na Vila Orlando Ometto, próximo à casa de Pereira. Segundo a polícia, carteira, notebook e um celular de Martins foram roubados por Pereira, que está preso na Penitenciária de Avaré.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.