Tomie Ohtake de volta à criação

SÃO PAULO - Tomie Ohtake esteve apenas duas vezes na Estação Consolação do Metrô, ambas com o Estado. Na primeira, em 25 de janeiro de 1991, testemunhou a inauguração do primeiro trecho da Linha Verde com sua obra Quatro Estações - quatro painéis de tésseras de vidro, de 2 metros de altura por 15,4 de largura cada. A segunda vez foi na semana passada. "Gosto de obra em espaço público porque fica ao alcance de todos", diz a artista plástica. "E estou impressionada com a quantidade de gente que passa por aqui."

Edison Veiga e Rodrigo Burgarelli , O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2012 | 21h30

Pois é: em 1991, 28 mil pessoas entravam por dia na Estação Consolação - e podiam admirar painéis de Tomie. Hoje são 116 mil. "São Paulo cresceu muito, não é?", constata, emocionada.

Com o passar dos anos, o número de obras de arte à mostra em estações paulistanas também aumentou. Até 1991, eram 58. Naquele ano, com a inauguração do primeiro trecho da Linha Verde, foram instaladas 11 novas, incluindo os painéis de Tomie. Hoje, são 92, muitas de renomados representantes da arte contemporânea brasileira - além de Tomie, há criações de Claudio Tozzi, Wesley Duke Lee e Aldemir Martins, entre outros.

Com seu jeito simples, Tomie não acha que seu dia a dia tenha mudado nesses 20 anos. "Minha vida continua a mesma: pinto todos os dias, faço minhas esculturas e obras públicas, encontro pessoas amigas...", conta, esbanjando vitalidade aos 98 anos - a maior parte deles vividos no Brasil, para onde migrou do Japão, aos 21 anos. Nesse período, foi imortalizada não só pelas obras. Passou também a dar nome a um instituto cultural inaugurado em 2001 em Pinheiros. "São Paulo é o meu lugar", resume.

E é nessa rotina de criação que ela revela estar preparando, já há alguns anos, um presente para a cidade. Quando a artista Yoko Ono, viúva de John Lennon, esteve em 2007 na capital para uma exposição, foi à casa de Tomie. As duas não só ficaram amigas como resolveram fazer uma obra a quatro mãos para algum espaço público paulistano. "Será uma instalação", conta a artista, sem maiores detalhes.

Tudo o que sabemos sobre:
Sampa 458SP458

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.