Todos os veículos registrados em SP devem trocar placa

Órgão prepara licitação para substituir modelo por outro com película que facilita os flagrantes de câmeras e radares

Renato Machado e Cida Alves, O Estado de S.Paulo

27 Julho 2011 | 00h00

Todos os veículos registrados no Estado de São Paulo vão precisar trocar as placas, seguindo um cronograma que será feito pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran). O órgão prepara uma licitação para a substituição dos modelos atuais por outros com películas refletivas, que são mais fáceis de serem flagrados por câmeras e radares.

O objetivo é que o novo modelo comece a ser adotado a partir do ano que vem pelos veículos saídos de fábrica. Os carros, motos, ônibus e caminhões que tiverem as placas danificadas também vão precisar substituí-las pelas novas quando forem regularizar a situação.

Os demais vão seguir um cronograma que o governo afirma que será "a longo prazo", provavelmente seguindo a ordem do dígito final de cada placa - como marcar a troca dos veículos com final 1 para 2012; final 2 para 2013 e assim por diante. "Nós seguramos um pouco a licitação, pois estamos estudando uma forma de essa troca não pesar para a população. Estamos focados em garantir uma forma que o preço a mais não seja repassado", disse o secretário estadual de Gestão, Julio Semeghini.

O governo estadual afirma que o novo modelo de placas é praticamente 100% visível nas câmeras e registros fotográficos dos radares. Um dos objetivos é fortalecer a fiscalização feita principalmente pelos radares do modelo OCR (o popular "dedo-duro"). Esses equipamentos flagram veículos sem licenciamento e roubados. A atual gestão também pretende usá-los para flagrar os veículos que não pagam pedágio, após a substituição do modelo atual pelo quilométrico.

"Estamos preparando a integração de banco de dados para ajudar ainda mais na fiscalização", disse o secretário. Ele acrescenta que os radares do modelo OCR, que entraram em operação em dezembro do ano passado, já apresentaram resultado positivo. "Muitas pessoas correram para fazer o licenciamento para não serem multadas ou terem os carros apreendidos", completa Semeghini.

Bilhões. As novas placas custam até 30% a mais que os modelos usados atualmente, segundo o governo do Estado. Isso significa que a troca das placas pode ser uma das maiores licitações da gestão Geraldo Alckmin (PSDB). A reportagem do Estado pesquisou no mercado e constatou que o preço médio de um par de placas do modelo atual é de cerca de R$ 65. Calculando a estimativa de aumento do governo e o tamanho da frota estadual, os investimentos podem passar de R$ 1,6 bilhão nos próximos anos.

O setor de emplacamento e lacração foi sacudido por denúncias de corrupção quando o Detran era ligado à Secretaria de Segurança Pública. Em 2009, uma investigação flagrou um esquema que desviou R$ 40 milhões do departamento depois de fraudar a licitação para as placas. Em 2010, ex-diretores do Detran foram acusados de provocar, entre 1994 e 2006, um rombo que pode chegar a R$ 2 bilhões. Eles não teriam cobrado a taxa prevista em lei para lacrar veículos em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.