Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

'Todos os pichadores são bandidos', diz Doria

Desde 1º de janeiro, a GCM conduziu 50 pichadores a distritos policiais; neste sábado, duas pessoas foram detidas após pichar escola na zona norte da capital

O Estado de S.Paulo

04 Fevereiro 2017 | 17h40

O prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) disse neste sábado, 4, que "todos os pichadores são bandidos" e voltou a pedir que autores de pichação se tornem grafiteiros ou artistas. No mesmo dia em que o tucano fez a declaração, em entrevista para a rádio CBN, duas pessoas foram presas pichando o muro de uma escola na Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte da cidade. A ação foi flagrada pela Guarda Civil Metropolitana (GCM). Os detidos foram encaminhados ao 72º Distrito Policial (Vila Penteado) para o registro da ocorrência. O local é a Escola Municipal do Ensino Fundamental (EMEF) Osvaldo Quirino Simões. 

Em nota, a administração municipal informou que "vai continuar os esforços para o combate à pichação, um crime ambiental que danifica o patrimônio da cidade, inclusive edifícios e monumentos tombados e com valor histórico". O caso ocorreu no início da tarde. A Secretaria da Segurança Pública informou que os detidos foram um adolescente e um adulto, que responderão por ato infracional e crime de pichação, respectivamente. Eles assinaram um termo circunstanciado e foram liberados.

A Prefeitura anunciou no fim de janeiro que as pessoas flagradas cometendo este tipo de delito serão processadas para ressarcimento. A gestão Doria tem endurecido o cerco contra pichadores. Entre as medidas mais duras de combate à pichação na capital, começou a articular um projeto na Câmara para aumentar a pichação.

O tucano chegou a defender multa de R$ 5 mil para quem for pego pichando muros públicos ou privados, R$ 10 mil no caso de reincidentes e R$ 50 mil para quem pichar monumentos. 

Nesta sexta-feira, 3, a Prefeitura recebeu novas adesões de ao projeto Guardiões da Cidade. A parceria permite que taxistas auxiliem na fiscalização a atos de vandalismo.  Desde 1º de janeiro, a Guarda Civil Metropolitana conduziu 50 pichadores a distritos policiais. 

"É importante ressaltar que a fiscalização não será feita de forma indiscriminada. Grafite e pichação receberão tratamentos diferenciados. Os pontos de grafite serão ampliados. A intenção é valorizar essa modalidade de arte urbana com a criação de cursos e oficinas para estimular que pichadores adotem o grafite e passem a atuar em locais permitidos", destacou a gestão em nota.

Mais conteúdo sobre:
PSDB Guarda Civil Metropolitana

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.