Paulo Liebert/AE
Paulo Liebert/AE

Todos os contratos da Prefeitura devem ser revistos, afirma Kassab

De saída, prefeito afirma que Haddad precisa analisar pagamentos e também renegociar a dívida de São Paulo com a União

Entrevista com

Diego Zancheta e Artur Rodrigues, de O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2013 | 02h04

A relação de Kassab com o prefeito Fernando Haddad (PT) ainda permanece um enigma. Kassab faz questão de afirmar que não pede nada em troca do apoio ao petista e cita como exemplo o fato de que nenhum secretário da nova gestão é do PSD. No entanto, o novo prefeito deve incluir pelo menos dois nomes do primeiro escalão de Kassab em sua equipe. Um deles é o ex-titular da pasta de Desenvolvimento Urbano, Miguel Bucalem, no Conselho da São Paulo Urbanismo (SPUrbanismo). Outro a continuar é o presidente da São Paulo Turismo (SPTuris), Marcelo Rehder.

Ontem, em seu último dia de governo, Kassab ligou para órgãos da imprensa para dizer que tinha "sugestões" ao futuro prefeito. Ele diz que Haddad deve rever contratos e renegociar a dívida municipal.

Deixa a Prefeitura com a sensação de dever cumprido?

Graças a Deus estamos muito orgulhosos da administração. Saio de cabeça erguida, com muita satisfação por ter colaborado com a cidade.

O que recomendaria ao novo prefeito?

Acho que depois de sete anos de governo todos os contratos devem ser revistos, reanalisados. As demandas podem ter mudado, os custos. Precisaria também renegociar a dívida de São Paulo com a União, e recuperar fôlego para novos investimentos.

O Haddad já falou que vai mudar a inspeção. O que achou?

Ele tomou uma decisão política de não cobrar a taxa. Eu preferi cobrar do proprietário a cobrar do Tesouro do município. Mas acho que ele quer aperfeiçoar o programa. E é justo que ele esteja colocando sua plataforma de campanha em prática.

Mais conteúdo sobre:
fernando haddadgilberto kassab

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.