GABRIELA BILO / ESTADÃO
GABRIELA BILO / ESTADÃO

Todo carnaval tem seu fim... melhor não pensar nisso agora

Descubra o que fazer em São Paulo durante a festa mais animada do ano

Daniel Fernandes, São Paulo

22 de fevereiro de 2019 | 06h00

Pessoal, tudo bem?

Depois de duas semanas seguidas falando de deliciosas esfihas, kibes e outros quitutes - muito por causa da intensa participação de vocês com mais e mais dicas (elas não param de ser enviadas), chegou o momento de falar de carnaval. E dá para se divertir um bocado.

Acho que você não tem dúvidas quanto a isso, então, vamos lá!

E uma vez em São Paulo no carnaval, simplesmente não dá para ignorar a presença dos blocos. É impressionante - e muito bacana também - como eles simplesmente tomaram conta da cidade. Recentemente, o Divirta-se preparou uma matéria muito bacana com a programação desses blocos. E o melhor, na matéria você encontra informações diretas dos próprios organizadores.

Tem Elba Ramalho, Casa Comigo, Sargento Pimenta, Bangalafumenga… E tudo isso amanhã. Mas se você pensa em acompanhar o carnaval no Sambódromo - essa experiência você precisa viver pelo menos uma vez na vida - esse material vai te ajudar muito a se organizar e se preparar. Mas corre, tem setores que já se esgotaram.

O carnaval deste ano, aliás, promete ser do néon ao metalizado, do retrô ao futurista - tomo emprestado a frase que abre a reportagem escrita pela repórter Juliana Diógenes e que mostra que as fantasias serão inspiradas na década de 80 e nas próximas décadas. Na matéria, para quem quiser correr até a Rua 25 de Março, ainda tem o preço de adereços importantes para que quer participar da folia. Pochetes custam de R$ 25 a R$ 40.

Seja lá como for, prepare-se para encontrar muita gente nas ruas. A Prefeitura de São Paulo, ao divulgar a programação oficial da festa, disse que a folia vai contar com 516 blocos. E público de 12 milhões de pessoas.

E se você gosta dos aspectos culturais do carnaval, mas não de pular a folia propriamente dita, você não pode perder essa dica do repórter Gilberto Amendola - além de nosso querido especialista em drinques, ele nos brindou (desculpe o trocadilho) com essa reportagem muito legal sobre o museu com a história do bairro do Bexiga e do carnaval. 

E se quiser entender um pouco mais a respeito sobre as origens dessa festa vale a pena - vale muito a pena, na verdade - ler essa coluna escrita pela repórter Bruna Toni. Apenas para citar um trecho e te convencer a ler agora esse texto: ‘No Brasil, a folia nas tuas começou com os entrudos, tradição trazia com os portugueses e que logo foram incorporando os batuques e rituais africanos’. Mais Brasil? Impossível!

De qualquer maneira, a gente chega no carnaval de 2019 com duas certezas: a Era Bolsonaro alimentará uma folia mais politizada. E todo carnaval tem mesmo o seu fim. Por isso, um olho na folia e outro na moderação porque ninguém é de ferro. Mas anda com fé porque ela não costuma ‘faiá’.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.