JF Diorio/Estadão - 14/10/2009
JF Diorio/Estadão - 14/10/2009

TJ libera votação do projeto de Doria para privatizar Interlagos

Desembargador acolheu recurso da Procuradoria da Câmara Municipal em ação que partiu de vereador do PSDB

Fabio Leite e Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

14 de novembro de 2017 | 16h01

SÃO PAULO - Em decisão monocrática, o desembargador Ferraz de Arruda, do Órgão Especial do Tribunal de Justiça de São Paulo, suspendeu nesta terça-feira, 14, a decisão que impedia a tramitação do projeto de lei do prefeito João Doria (PSDB) que prevê a privatização do Autódromo de Interlagos, na zona sul da capital paulista. Agora, o texto pode seguir para a segunda e definitiva votação na Câmara Municipal, prevista para ocorrer até o fim do ano.

O projeto havia sido suspenso na semana passada por meio de liminar concedida pelo mesmo desembargador em resposta a um mandado de segurança movido pelo vereador Mario Covas Neto (PSDB), sob a alegação de que a tramitação do projeto de Interlagos burlou o regimento interno da Câmara ao ir para o plenário da Casa sem antes passar pela reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), presidida por ele.

Na prática, o projeto de privatização de Interlagos foi submetido ao congresso de comissões (reunião de vários colegiados da Casa, inclusive a CCJ, feita em plenário para acelerar a votação) na quarta-feira, 8, por decisão do presidente da Câmara, Milton Leite (DEM), aliado do prefeito. O texto foi aprovado naquela tarde em plenário com 37 votos a favor. Um dia antes, em visita ao Legislativo, Doria havia pedido aos vereadores que aprovassem o projeto antes da realização do GP do Brasil de Fórmula 1, que ocorreu no fim de semana. Na quinta-feira, 9, porém, o desembargador concedeu liminar suspendendo a tramitação.

Após recurso apresentado pela Procuradoria da Câmara Municipal, que rebateu as alegações de irregularidade, o desembargador liberou a tramitação do projeto e extinguiu o processo. "Ao contrário do quanto afirmado pelo impetrante (Covas Neto) na inicial e no pedido de reconsideração manejado contra decisão que indeferiu a liminar, o Projeto de Lei 705/2017 vem tendo regular tramitação na Câmara Municipal, tendo sido encaminhado à Comissão de Constituição de Justiça, ocasião em que designado o relator Vereador Claudinho de Souza. O projeto foi pautado para exame por aquela Comissão, entretanto, a sessão foi cancelada pelo seu Presidente, ora impetrante", escreveu o desembargador. 

Ferraz de Arruda afirmou ainda que o caso se trata de uma diferença na interpretação do regimento interno da Câmara, não de violação às leis ou à Constituição. Com a liberação da Justiça, a Câmara deve concluir a votação da privatização de Interlagos ainda este ano. O prefeito João Doria já disse que espera arrecadar entre R$ 2 bilhões e R$ 2,5 bilhões com o leilão do autódromo, a ser realizado pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) até abril de 2018. 

"Todos os senhores e senhoras conhecem o regimento desta Casa e são sabedores de que esta presidência cumpre, enquanto aqui estiver, religiosamente aquelas matérias claramente decididas, mas sempre aguarda a decisão da Justiça, que, soberanamente e com clareza, assistiu razão aos procedimentos tomados por esta presidência. Não só cassou a liminar, mas julgou o mérito dando razão a nós", disse Milton Leite em penário na tarde desta terça-feira, 14, após pedir que cópias da decisão da Justiça fossem distribuídas aos 55 parlamentares.

Para Wilson Poit, secretário de Desestatização e Parcerias da gestão Doria, a suspensão da liminar pelo Tribunal de Justiça de São Paulo era esperada e fortalece a tramitação do projeto para a segunda votação. "Estou otimista com projeto de desestatização e aguardando ansioso a segunda votação dos projetos de Interlagos e do Anhembi, as duas grandes bandeiras para este ano. Tenho certeza que recursos farão mais fidfrneças para piualão aplicadas", disse Poit.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.