WERTHER SANTANA/ESTADÃO
WERTHER SANTANA/ESTADÃO

TJ aumenta pena de comerciante que atropelou e matou seis em Sorocaba

Homem foi condenado a 4 anos e 10 meses de prisão pelo crime. O acidente aconteceu em 2014, quando o carro dirigido por Fábio Hiroshi Hattori atingiu jovens que tinham saído de uma festa e esperavam o ônibus

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2018 | 19h48

SOROCABA – O Tribunal de Justiça de São Paulo aumentou para quatro anos e dez meses e meio de prisão a pena do comerciante Fábio Hiroshi Hattori, de 31 anos, condenado por atropelar doze pessoas e matar seis delas, em abril de 2014, em Sorocaba, interior de São Paulo.

Ele terá de iniciar o cumprimento da pena em regime semi-aberto, sem direito à conversão da prisão em prestação de serviços comunitários. Em primeira instância, Hattori havia sido condenado a três anos e seis meses de prisão em regime aberto, mas a pena foi convertida em prestação de serviços.

A decisão do TJ, divulgada nesta terça-feira, 7, manteve a suspensão da carteira de habilitação do comerciante por dois anos, cinco meses e sete dias. O assistente da promotoria, Ademar Gomes, informou que vai entrar com recurso para que a pena seja aumentada, o que implicaria na conversão da prisão para o regime fechado. O advogado que atua na defesa do comerciante Mário Del Cistia Filho informou que vai esperar a publicação da decisão para também entrar com recurso, visando à diminuição da pena.

Bafômetro

O acidente aconteceu na madrugada de 6 de abril de 2014, na rodovia Raposo Tavares, na área urbana de Sorocaba. Hattori vinha de carro pela rodovia, quando perdeu o controle e atropelou 12 jovens que tinham saído de uma rave e esperavam o ônibus no acostamento. Seis jovens, com idades entre 15 e 20 anos, morreram no local e outros seis tiveram ferimentos graves.

O teste do bafômetro indicou dosagem alcoólica superior ao permitido. Na época, o condutor do veículo disse aos policiais que tinha tomado uma lata de cerveja e acabou dormindo ao volante. O comerciante foi preso e ficou 18 dias na Penitenciária de Tremembé, até ser solto para responder ao processo em liberdade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.